O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 11 de março de 2011

Pasta de rosas

Primeiro o olhar
Saudoso, guloso
O amor
Para agarrar
Sofregamente
Demoradamente
E guardar
Em pasta de rosas
Clandestinamente
Grávida de poemas
Grávida de sonhos
Em viagens loucas
Atravessa o Outono
E o olhar cruzado
Demorado
O amor em jardim
Jardim de pétalas
Perfumadas
Espalhadas
Corpos amados, cansados
Pétalas de saudade
Atravessam a vida
Vão perfumar a eternidade!

TA Set/2009

2 comentários: