O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 11 de março de 2011

Pinto para ti


Eu pinto para ti
Pedras rasgadas pelo tempo
Dos afectos e emoções
Pedras que cantam
Sonhos de crianças
Que nelas
Desenham o futuro
Eu pinto para ti
Noites mágicas de luar
Onde se deitam
Anseios e ilusões
Esvoaçaste
E eu voo contigo
Pintando para ti


Teresa Almeida
28.07.2010

2 comentários:

  1. Sabes que pintei e pinto para vós, filhotas.
    Sois a minha maior fonte de inspiração.

    ResponderEliminar