O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sábado, 7 de maio de 2011

Que bem sabem cantar!


O estorninho calou-se
De amores se perdeu
Em volúpias ardentes
Encostou-se à noite
E com ela ela adormeceu

Já o rouxinol  que tão bem canta
Na sua louca paixão
Não aguenta a espera
Namora de madrugada
Numa canção desesperada

O melro,  negro retinto
Sabe como agradar
De galho em galho redopia
Namora, canta e assobia
A quem anda a jardinar

Será que é fiel?
É tão companheiro e sedutor
Estão sempre à espera dele
A qualquer hora do dia
Namora, canta e assobia

Serão eles que as escolhem
Ou serão conquistados?
É um segredo que sabem guardar
Companheiros, amigos e amantes
Que bem sabem cantar!

Teresa Almeida 07.05.11

Sem comentários:

Enviar um comentário