O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Brincos de cereijas

Bastan-me uns brincos de cereija
para me sentir nina
Nunca çquecerei ls brincos
nien las altas cereijeiras
an que me ancarrapitaba

Corrie suonhos an lhadeiras
cun gusto a cereija braba
 
Cereija braba pequerrica
q´uinda traç colgados
ls mius suonhos de nina
Teresa Almeida 09.06.11

4 comentários:

  1. Ls brincos feitos de cereijas
    Ls suonhos presos un a l´outro pul pinzon
    Diç que las cumbersas son cumo las cereijas
    agarradas uas a outras
    Mas a mi parece-me
    que ls suonhos ye que son...

    Un beisico an mirandés ye mais doce.

    Agarra-lo!

    Delaide

    ResponderEliminar
  2. Yá l'agarrei.

    Que guapa fiesta fazemos culas cereijas!
    Purmeiro comemos i depuis bertemos l'alegrie an palabras...
    Un abraço arrochado

    Teresa

    ResponderEliminar
  3. Também eu brincava (sim, em Matosinhos, também se brincava aos brincos de cerejas). E as nossas, para nosso azar, eram compradas no Mercado e não colhidas das arvores que cercavam as nossas casas.
    Mais uma tradição que penso ser criminoso deixar cair.
    É por estas e por outras que eu gosto de "vir" até ao teu cantinho.
    Beijinhos
    Ricardo

    ResponderEliminar
  4. Com o teu comentário os brincos de cerejas bravas ganham outro brilho. Vem sempre Ricardo.
    Beijinhos
    Teresa

    ResponderEliminar