O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sábado, 30 de julho de 2011

Abraço impulsivo


nasceu à flor do dia
como o café que apetece ser tomado
em companhia

O gesto indisfarçado
retrocedeu

Um esboço de iniciado
um jeito ténue, balançado
em lances de fantasia

Teresa Almeida 29-07-2011

4 comentários:

  1. Eu diria "Simulacro de Abraço" :)
    Adorei este sentir num abraço não concretizado!
    Bjuzz :)

    ResponderEliminar
  2. E disseste muito bem Odete, como sempre.
    Obrigada. Bjuzz

    ResponderEliminar
  3. Um abraço ténue..mas certamente ansiado!!beijo Teresa

    ResponderEliminar
  4. Inês, um grande abraço, sem disfarces, para ti. Obrigada.

    ResponderEliminar