O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Apenas a mulher e a sua essência





Vestida de branco estava a lua

archote que a noite enfeitiçava

Os olhos eram gritos de alegria

expectantes e preparados

para enxergar até ser dia




Chegaram vestidas de lua

subindo as escadas da noite

em íntima e sagrada comunhão

As praxes e gargalhadas

eram a animação e a voz da vontade




A música mirandesa rasgou caminhos

inaugurou claustros de amizade




Apenas a mulher e a sua essência

como um mural de granito feito

assim são a coragem, a energia e o amor

colunas que sustentam a vida

a essência da mulher

Teresa Almeida 13.08.2011

.

Sem comentários:

Enviar um comentário