O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

JÚLIO RESENDE





"Gostaria de ficar na memória como um pintor da paz"

          Júlio Resende

                 






Ye ua grande honra pa la nuossa tierra tener paredes cun pinturas tan guapas de l mestre.

6 comentários:

  1. Pintor da paz
    mas não pintor de paz
    porque
    nunca um criador tem paz...
    há uma insatisfação que lhe cresce em cada traço, em cada pincelada, em cada cor.


    Obrigada Júlio Resende por todas as tuas insatisfações, porque, foi graças a elas que sempre caminhaste...

    Un chi Teresica

    ResponderEliminar
  2. Quem escreve ou pinta é porque procura, quer desvendar...
    e nesta caminhada vai apenas mostrando as cores do seu caminho, as suas emoções...
    Nestes painéis, de cores sublimes, vejo mensagens de paz, liberdade e harmonia!
    Mil beijos Delaidica

    ResponderEliminar
  3. Lindos...Obg por mostrares.
    Bjuz de cor, Teresa :)

    ResponderEliminar
  4. Já reparaste Odete na poesia que se desprende destas pinturas de Júlio Resende?
    Gostei muito que passasses por este cantinho de arte.

    Beijuzz

    ResponderEliminar
  5. Rendo-me, curvo-me perante a memória duma tão grande figura da nossa cultura.
    Mais um motivo de "união" entre Miranda e o Porto (o que nos faz de tão bom este Rio Douro...)
    Beijinhos Teresa

    ResponderEliminar
  6. Ricardo, um dia destes não resistirás a contemplar de perto este legado do grande mestre.
    Beijinhos

    ResponderEliminar