O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

domingo, 18 de setembro de 2011

Sentei-me à noite ao luar

É uma bela pintura que estou a ver
ou estarei a sonhar?




Os  holofotes que incendeiam a  noite
e bordam a ouro as catedrais
serão reais?

As estradas brancas num azul cerúleo
deste céu que agora é meu
aonde me levarão?

As estrelas que ao alto cintilam
e a colina que suavemente se reclina
serão para mim?

Enfeitiçada
fiquei aqui


Teresa Almeida 17-09-2011

8 comentários:

  1. Enfeitiçada ficaste
    E, com o brilho das estrelas,
    Ao céu te elevaste....
    Pensamentos e emoções,
    Desalentos e alegrias,
    Tudo conseguiste transformar
    Em suaves melodias !!!!

    ResponderEliminar
  2. As tuas palavras têm a melodia da amizade e a ternura da poesia.
    Dar e receber é maravilhoso!
    Um xi coração.

    ResponderEliminar
  3. guapos, poema i retrato.

    beisico
    Amadeu

    ResponderEliminar
  4. Las tues palabras son lhuç ne l miu camino.

    Bien haias Amadeu.
    Beisico
    Teresa

    ResponderEliminar
  5. Muito poético, amiga, tal como o cenário!
    Bjuzz :)

    ResponderEliminar
  6. "As estrelas que ao alto cintilam
    e a colina que suavemente se reclina
    serão para mim?


    Enfeitiçada
    fiquei aqui"

    E cumpre-se o feitiço pela beleza das palavras, onde as estrelas se confundem num mar de versos. Um beijo à "minha" mais recente estrela.

    ResponderEliminar
  7. Este cenário é real mas Alcides Meirinhos soube gravar a magia da noite!
    Essa feiticeira é a Adelaide, sentada à porta de casa, na Especiosa.
    Eu só andei a espreitar, daqui. :) :) :)
    Obrigada poetisa Odete.
    Bjuzz

    ResponderEliminar
  8. Ricardo, nem saio daqui. Continuo a desfrutar da noite que está a ficar ainda mais estrelada com a tua pintura...
    Gosto muito. :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar