O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

domingo, 20 de novembro de 2011

Homenagem a Teresa Almeida




Minha Amiga, Companheira, Minha Mãe
Arranco à madrugada
palavras que chamei
e dela teimam em não desprender.
Ousada! Sem dúvida! E porque não?!
se o sentir nos enche a alma
e guia os passos.
Generosa! Corajosa!
Gritando do íntimo
Rasgos d´alma,
que assomam e assombram,
quando tantos se escondem!
A par dos que voam mais alto,
tocas longe...
trazes claridade no sorriso,
asas leves,  livres,
a pairar sobre nós.
Paz, conforto, alegria, Amor!
E agradecida, eu!
pela dádiva de partilhar
este momento teu
e por fazer parte da tua vida!
Carla


7 comentários:

  1. Hoje, um domingo habitual, saboreado à volta da mesa...,
    a palavra resvala emocionada
    numa sobremesa dedicada
    para mim, muito especial

    ... rasgos d´alma

    E esta fotografia?
    nem sequer a conhecia...

    Um brinde com direito a risos e lágrimas
    enquanto aguardamos publicação
    do meu livro
    OUSADIA

    solta-se livre, intensa e bela
    a poesia
    no teu coração minha filha

    Fico feliz!

    ResponderEliminar
  2. Lindo!!!!
    Merecido e lindo!!!

    Beisicos a las dues.


    Delaide

    ResponderEliminar
  3. Além de seres a fada da escrita, também tens a vertente da pintura, que te complementam!!!Gostei muito!Parabéns Teresa!

    ResponderEliminar
  4. Gosto de te saber por aqui António Ramalho.
    Com estas actividades o tempo voa!
    É algo que faço por prazer, sem planos...
    Obrigada.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  5. E pelos vistos, é genético, pois a Carla, segue as pisadas maternas!Muito bonito!

    ResponderEliminar
  6. São realmente tocantes os rasgos d´alma da minha filha.
    Delaide, a tua presença clareia ainda mais as palavras.
    Bem hajas.

    ResponderEliminar