O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 30 de junho de 2011

atrevette: Antologia - Versos Luso-Brasileiros

Esta antologia da Editora Sapere, finaliza com três poemas da minha autoria:

Abandono
O meu corpo é uma estrela, dizes tu
Será que te lembras?

((Clicar na ligação e, em seguida, clicar no livro)

http://www.bookess.com/read/8962-versos-luso-brasileiros-/


Agradeço ao Editor Delmo Fonseca esta interessante oportunidade.

Nesta Antologia, Editora Sapere, participo com dois poemas, página 59. Aceitei, com consideração, já há uns meses, o convite do editor Delmo Fonseca, fazendo parte de um projecto que pretende unir autores lusófonos, promovendo também a Língua Portuguesa...

(Clicar na ligação e, em seguida, clicar no livro)

http://www.bookess.com/read/8962-versos-luso-brasileiros-/

Obrigada, Delmo Fonseca, por me ter "descoberto" e incentivado. Relembro a minha primeira participação literária, impressa, Antologia da Vida, cuja capa já incorpora o blogue.

Na praia arde o teu luzeiro



Parece que as palavras nasceram nestas imagens.
O trecho musical conferiu-lhes uma beleza penetrante.
Obrigada Ricardo.

Cavas fundo amigo


Cavas fundo amigo

não te comprazes
com  palavras bailarinas
que enfeitiçam e deleitam
fugazes e loucas  ilusões

Cavas fundo amigo
à luz de pirilampos
extrais pela raiz
angústias,  prazeres e paixões
e amas em fúria de tempestade

Cavas fundo amigo
queres da história a verdade
e arrancas varas verdes
palavras de transformação
que em fantasia  se  libertarão

Teresa Almeida  29.06.2011

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Brincos de cereijas

Bastan-me uns brincos de cereija
para me sentir nina
Nunca çquecerei ls brincos
nien las altas cereijeiras
an que me ancarrapitaba

Corrie suonhos an lhadeiras
cun gusto a cereija braba
 
Cereija braba pequerrica
q´uinda traç colgados
ls mius suonhos de nina
Teresa Almeida 09.06.11

terça-feira, 7 de junho de 2011

Actuação do grupo de danças mistas da Associação de Professores do Planalto Mirandês

video
 L Repassiado
Un baile de ruoda de cariç popular, al sonido de l gaita de foles, qu´anima las festebidades de l Praino Mirandés.
Na Tierra de Miranda las pessonas gústan de beilar l repassiado nas praças, terreiros ó an qualquiera ajuntouro. Ls pares bán sendo sustituídos al modo que se astrében a antrar.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Ditas-me poesia

Não vejo um sorriso aberto
quando de mim te abeiras
nem o som de sonora gargalhada
vejo um sorriso  tão subtil
que   borbulha em mim
como golos  de champanhe
espumante de casta dourada

Vejo no verde do teu olhar
finos  raios  de sol
e, no azul da minha loucura
só me aquecem a mim
Se não me ditasses poesia
se  não te derramasses assim
como é que eu escreveria?

Teresa Almeida 31.05.11