O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

VERSOS PERDIDOS

Só vejo

Versos gostosamente perdidos
e espreguiçados
na leveza dos tons
no desleixo poético

Palavras a pulsar vida
abandonadas ao perfume da manhã
em puro deleite
oferecida

Marcas de fogo
em despudores matinais
penduradas

Caminhadas de ar puro
em bruma orvalhada

Beijos lavando o meu rosto
numa doce manhã
em mim
serenamente
 desejada


Teresa Almeida 10. 01.2012
Porto

2 comentários:

  1. A alegria transmitida pela manhã ansiada, o prazer do encontro matinal com os elementos da natureza que te são já familiares...
    Belo!
    Bjuzz, amiga querida! :)

    ResponderEliminar
  2. A manhã é a flor do dia, dizia a minha avó Adília. Sinto-a mesmo assim.
    Obrigada querida amiga.
    bjuzz

    ResponderEliminar