O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

segunda-feira, 23 de abril de 2012

OUSADIA


Deambulou a noite
nos livros que amei.

Pedras preciosas
eram os títulos
onde o sentimento se espraiava…

No gume de cada página
era exótico o perfume
que o verso respirava.

Na avidez de pétalas presas
havia palavras acesas 
e entre elas me evadia.

Ganhou vida a própria voz
nas asas da madrugada
em inusitada ousadia

Em franjas ficaram os sonhos
pendurados nas lombadas.

Teresa Almeida


10 comentários:

  1. lindo de mais amiga levando para o meu arquivo...bj..saudades que estejas bem..

    ResponderEliminar
  2. Pedras preciosas são cada palavra que enriquece a alma do sujeito que usa os seus dedos para as doar a leitores ávidos de arte...
    Belo!
    Bjuzzz, amiga :)

    ResponderEliminar
  3. Gosto.
    Saudades Quim. Vou acompanhando as tuas maravilhosas viagens.
    Qualquer dia contas-nos...

    Beisicos.

    ResponderEliminar
  4. O teu feedback é sempre um incentivo, amiga Odete.
    Que bom encontrar-te aqui!

    Beisicos.

    ResponderEliminar
  5. tenes muita cuçquinha na punta de ls dedos i apuis eilhes nun áran quetos i por isso mos dás destas cousas tan guapas...


    Beisico,


    Delaide

    ResponderEliminar
  6. Páran quetos. Carai, ando siempre a anganhá-me...

    ResponderEliminar
  7. Quetos ls dedos? Nunca páran.
    Las palabras nun se gastan i la paixon cuntina!
    Oubrigada amiga Delaide.

    Beisicos.

    ResponderEliminar
  8. É sempre um prazer saciar a sed nos gumes de cada página ..
    nos teus poemas que liberam vida propria ..como dizes!!!
    Brigado por compartir a tua arte..beijnhos.ines

    ResponderEliminar
  9. Inês, já tinha saudades tuas! :)
    E das tuas palavras amigas, também.

    Grande abraço.

    ResponderEliminar