O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

L tou grito

Nien un trinado d'abe a cruzar l cielo me derreterie assi: aquel grito era tou. Tan bibo cumo la frecha de lhuç que se sgueirou pula casa quando abri la puorta de l lhado naciente.
Era la surpresa de la fiesta, l'einocéncia dua ourora pura - la gana de bibir.
Soubo a calor de fogueira an nuite gilada. Tubo l poder debino de remoçar i fazer bibrar las cuordas dua abó cun sede de cantigas: esta fui dua ternura de arrepelar – l tou grito.
Griteste para te scunderes, cumo quien ten priessa de ser ancuntrada. Bolei na tua alegrie cumo se (presa naquel abraço) tubisse ancuntrado la rialidade de l paraíso.
Las tues palabras çpuntában bibrantes - an cachoneira biba, no zeio de me sentires andrento de l tou ouniberso.
Stralhórun foguetes de lhágrimas a rumpéren la suidade.

O teu grito
 Nem um trinado de ave a cruzar o céu me derreteria assim: aquele grito era teu. Tão vivo como o raio de luz que se esgueirou pela casa, quando abri a porta do lado nascente.

Era a surpresa da festa, a inocência duma aurora pura - a vontade de viver.
Soube a calor de fogueira em noite gelada. Teve o poder divino de rejuvenescer e fazer vibrar as cordas de uma avó sedenta de canções: esta foi de uma ternura arrepiante – o teu grito.
Gritaste para te esconderes - como quem tem pressa de ser encontrada. Voei na tua alegria como se (presa naquele abraço) tivesse encontrado a realidade do paraíso.
 As tuas palavras despontaram vibrantes - em cachoeira viva, na vontade de me sentires na cumplicidade do teu universo.
Estalaram foguetes de lágrimas a romperem a saudade.
Teresa Almeida

4 comentários:

  1. Que poderoso esse "grito" que tão belo texto te fez nascer!

    Seja de quem for, está eternizado em palavras que traduzem uma enorme ternura e sensibilidade!

    Bjuzz, minha querida amiga :)

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do teu grito...
    "As tuas palavras despontaram vibrantes - em cachoeira viva".
    Brilhante, este teu texto.
    Teresa , querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Emocionada eu fiquei ao ler-te...Belo, comovente esse teu

    poema,nascido do puro amor...Eternizado na tua poesia e

    ficará guardado na memória afetiva, essa preciosidade.

    Adorei!!

    Beijo,amiga.

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso amiga, há muito tempo que não lia um grito que tanto me dissesse. Acho que fiquei com vontade de gritar. Beijos

    ResponderEliminar