O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

STREMUNDIAR las palabras

Ye esso – apaixono-me pulas palabras airaçadas
cumo perlas berdadeiras.
Auga doce ó salada: gusto de stremundiar – nas palabras
que tráigan l gusto brabo de l mar ó de l riu.
Salbaiges sálen de la concha cumo se fússen agarradas por nuobo amor - mais bagamundo.
Parece que se sinte l bruar de l riu ó de l mar a roçar ne l peito.
L strelhumbre de las streilhas sal nas perlas.
Alguas son menos purfeitas, squinadas;
mas l´ancanto de l lhugar adonde fúrun ancuntradas
bai a lhuzir por ende – acardito que si
porque salbaiges – las palabras – abrólhan assi
arrolhadas an óndias salbaiges
num arrepelo friu de perla rial
salindo d'andrento de mi.

Teresa Almeida

1 comentário:

  1. Selvagens, ou não, eu gosto das palavras que saem dentro de ti. Como um mar ou como um rio, mas sempre inspiradas.
    Acho que percebi quase todas as palavras e gostei muito do teu poema.
    Querida Teresa, bom domingo e boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar