O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Bruxaria


Não responde célere a imaginação
a um serviço encomendado
mas hoje não pude resistir à tentação 
de bruxo todos temos um bocado

Em qualquer beco ou esquina
há um assalto bem armado
uma luz que espreita e incendeia
o poeta afoito e descuidado

Disfarces de abóbora menina
e vassouras a varrer o espaço
Talvez ataques de bruxaria
salvassem o nosso pedaço

Não, não temos medo de bruxaria
estamos mesmo precisados
de altas doses de alquimia
e de espíritos iluminados

Teresa Almeida

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Teresa é muito lindo parabéns!
    Um ótimo fim de semana beijo.

    ResponderEliminar

  3. concordo plenamente,

    que de bruxo todos temos um bocado!

    gostei do poema, e da sonoridade dele.

    (tb gosto da tua escrita)

    Beijinhos



    ResponderEliminar
  4. E fizeste muito bem em responder ao chamado :)

    Não serão as almas poéticas as bruxas mais famosas das palavras?

    Sorri com este teu belo escrito!

    Bjuzzz :)

    ResponderEliminar
  5. "Não,não temos medo de
    bruxaria
    estamos mesmo precisados
    de alta doses de alquimia
    e de espíritos iluminados"

    Alquimia das palavras que tocam a alma,igual a tua poesia...

    E o teu espírito iluminado,que nos envolve com gentileza e

    sabedoria...

    Beijo,querida Teresa.

    ResponderEliminar