O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Uma acha na fogueira


Vamos acender o espírito das palavras
lançar achas na fogueira da amizade
ou mesmo palhas douradas de calor
porque festejamos o Natal
porque na vida vale o amor

Vamos dar as mãos à solidariedade
queimar as notícias negras dos jornais
e as manchas de dor no planeta
Sei que não seremos capazes
mas se acendermos luzes nas grutas
e cada um espalhar a cor do afeto
mesmo ao lado, mesmo ali perto
poderemos acordar o  mundo desafeto

Se me querem eu vou
vem também amigo, traz outro e outro contigo
declama a tua poesia - sente-te bem
diz a tua verdade
solta a corrente da tacanhez, da má vontade
é imenso o território e a beleza da vida
torna-a querida à tua volta

lança uma acha na fogueira da amizade
para que sejam felizes os momentos
porque feitos de paz, amor e verdade
partilha a tua vida poética - porque a tens
vem amigo dar as mãos e abre mão dos preconceitos
ou conceitos duvidosos

sim, já sei que não tenho a verdade no bolso
muito menos o poço das virtudes
mas deixa que te mostre a minha vontade
de viver na calma e dar as mãos na alegria
de me aquecer neste novo Natal
na fogueira aberta da poesia

Teresa Almeida

2 comentários:

  1. Querida Teresa,

    Desejo um feliz natal luz,cheio de amor,alegria,

    harmonia e paz para ti e tua família e um ano

    novo repleto de felicidade e realizações...

    Beijinho,querida amiga!

    ResponderEliminar
  2. Também, venho desejar-te Um Natal cheio de luz ,

    e um Feliz Ano Novo, com Amor, Saúde e Paz e poesia claro!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar