O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sábado, 30 de junho de 2012

Momento fugaz

A emoção desce num raio de luz
e rasga o mar em golpes troteados.
É o amor que se veste de gaivota
e as nuvens se descobrem
em tons e contornos de paixão.
O mar relincha num corcel de delírios
e espuma na febre da exaltação;
gaivotas bailam em clarões de melodia
e cavalos esvoaçam ao sabor da maresia.
Das nuvens correm rios de luz
e tudo é vida ora presa ora solta.
Hesitante é o tempo
entre a serenidade e a revolta.

Teresa Almeida

segunda-feira, 25 de junho de 2012


MIRAI LOS ASSI CUNTENTOS,
NESTE DIE DE SAN JUAN,
PORQUE TODOS LS QUATRO
A LER LS LUSÍADAS BAN.

... Teresa Almeida, ua grande poetisa que mos naciu hai pouquito, mas que yá muitá agarrou l mirandés cun sous alunos na scuola de Aldinuoba, bieno de Lagoaça que siempre fui tierra mirandesa. Al botar raiç na nuossa lhéngua, fui agarrando un filo que se habie cobrado ende pula Eidade Média i que agora yá naide ye capaç de lo cobrar, eilha que ye l’alma deste grupo.
Cun eilha stá sue filha Guida Subtil, que yá uns anhos studou l mirandés na scuola i todos ls dies lo oube falar na Santa Casa da Mezericórdia, adonde ye assistente social. Ua rapaza chena de fuorça i de balor moço que bai fazendo la lhéngua cumo sue, que muitas moças cumo eilha percisa.
Antídio Fernandes, samartineiro que siempre tratou l mirandés cumo lhéngua sue, casado cun Carla, la outra filha de Teresa, i dambos a dous pais de Ana Teresa que, cun sous dieç anhos de bida i sous guapos uolhos a relhuzir, mos bai a encantar a todos i a fazer sonhar al oubirmos la nuossa lhéngua na sue boç tan clarica i chena de feturo.
Se mirardes l retrato, parece que todos quatro nácen daquel berde, cumo flores que yá se purpáran para mos encantar cun la leitura de l nuosso grande poeta an mirandés. You quedo sien palabras i cheno de proua por esta giente tan guapa i que le dá tanta fuorça a la nuossa lhéngua, ounindo abós, pais, filhos i nietos.
La lhéngua ten caminos que nien manginamos, i nós solo tenemos que los çcubrir i los andar an tan buona cumpanha.
Amadeu Ferreira

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Voltaremos ao mar


É junto ao mar que se agiganta a tua presença,
a tua energia, Sofia.
É lá que eu te vejo.
Só tu prometeste voltar:
espuma de poesia em pés nus.

Sabias:
da imensidão a bravura,
delicada ternura
em azul infinito.

Entre céu e mar se toca e confunde
- a ternura -
e te põe a escrever como se estivesses louca
nas palavras que beijas
e lanças à solta.

Poeta: mergulho de intempéries,
sabor e emoção de calmaria - ousadia
desfeita na areia, em espuma – de ternura.

Quando o fôlego for uma ausência
voltaremos ao mar.

Teresa Almeida

A Sophia de Mello Breyner Andresen

quinta-feira, 7 de junho de 2012

LA BIELHA PORTALADA


Entra la bida i la poesie adonde l'abrigo findou.
Suonhos bolórun porriba la belheza eimensa
que la belheç le dou. Ye abierta la stória que
por ende se reza: la portalada nunca se cerrou.

La ronda de la bida scribe-se a las bezes an alegrie,
a las bezes an choros de suidade - na bielha portalada.
Eilha amostra sin pudor cumo se smorece d'amor.

Agora parece que le sale la risa de las frinchas,
solo por ber l´aldé a renacer. La cerbeija artesanal
fai riampeçar la tabernica lhocal; sóltan-se bózios d´alegrie
i passéian-se ls ninos cun ls burros to l die.

Ye perciso mirar debagar: l'arte ressona an cada piedra
ousmada a modo i ne l tono subre tono de cada tabra.
Hai ancanto i abandono - na bielha portalada.




O VELHO PORTÃO

Entra a vida e a poesia onde o abrigo findou
Sonhos se esbateram sobre a beleza imensa
que a velhice lhe deu. É aberta a história que
por ali se reza. O portão jamais se fechou.

A ronda da vida escreve-se no riso da criançada
e em choro de saudade – no velho portão.
Ela mostra sem pudor como se pode esmorecer de amor.

Agora parece que o riso sai pela frinchas,
só por ver a aldeia a renascer. A cerveja artesanal  
vem reanimar a pequena taberna local;  soltam- se vozes de alegria
e passeiam-se crianças com os burros todo o dia

É preciso olhar devagar: a arte emerge em cada pedra
ajustada a jeito e no tom sobre tom de cada tábua.
Há encanto e abandono – no velho portão.

Teresa Almeida

sábado, 2 de junho de 2012

Criança



Um sorriso num rosto de criança
Acalentada ao colo de uma mãe,
É o quadro mais terno de bonança,
... A representação de todo o Bem.

Necessita de amor, de confiança,
Para enfrentar a vida que lá vem;
É futuro ridente, é a esperança,
É o melhor que a Humanidade tem!

Águia sem penas, deixem-na brincar,
Que um dia bate as asas para voar
No seu esplendoroso alvorecer!

É diamante bruto a lapidar,
Sendo crime execrando atrofiar
Quem afinal nasceu para ascender!
 
João Oliveira