O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

domingo, 25 de novembro de 2012

Partida!


O comboio aproximava-se da estação 
era-me familiar este ruído
por um breve instante
...

o coração ficou em reboliço
era partida ou chegada?
sempre uma mudança
e uma estada nova
na vida da aldeia

Apurei o ouvido
o sono já apoquentava
a hora ia alta
o dia arrumado nas prateleiras

Foi um breve instante
na memória recuperado
a saudade revolvida
qual comboio, qual estação
a carvão ficou o lápis
porque a lapiseira
falha na hora menos pensada

Depressa percebi
que era o vento galego
a despir despudoradamente a figueira
junto à janela do meu quarto
o vento ruge com um sinal diferente
nada parecido com o silvo do comboio
ou a voz que alta se ouvia: partida!

Havia um desenraizamento na palavra
assustada e dorida despedida
por larga temporada
em fins de semana ninguém pensava
a merenda com sabor a casa
era um embalo de viagem

a retorcida linha do Douro
agarrava-nos a alma e a conversa que crescia
ia diluindo o aperto do peito
o comboio andava devagar a apanhar o futuro
partia para a vida
liquidámos o comboio - liquidámos o futuro
abandonou-se a estação - instalou-se o retrocesso
precisamos do sinal de partida

Teresa Almeida

(Foto de José Sobral)


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Neblina outonal

Entrei no poema que agreste nascia
Teia de afeto estendida na colina
Rio de prata com fome de maresia

delicado fio tecido de ternura
seda puríssima de fluída neblina
transparência de gota ardente e leve

Ousei ter sede em beijo breve
toada viva em telúrico espanto
larga melodia no âmago do ser

Teresa Almeida

domingo, 4 de novembro de 2012

La Gameta

Abó, you tamien fago parte desta quadrilha. Ana Teresa miraba-me cun ua sunrisa agarrada a ls cielos, i ampeçou a ler l remanse que habie screbido nessa rebista de ls alunos  de mirandés de las scuolas de Miranda de l Douro.
Anton, pa mi, La Gameta ya tenie sonido, spresson: musicalidade – cumo ne l cinema.
Para miu spanto ancuntrei outras miradas, spressones i sunrisas mies coincidas. Anclarórun-se-me las cuontas i ls poemas cumo se tebissen la bida de sous outores. 
Çcubri qu'esta rebista  ye cousa mui antressante: nun ten frunteiras nien eidade  – saltou las paredes de la scuola – apagou las lhínhas de ls cadernos scolares (aqueilhas streiticas, adonde nun se bei nada).  Las fuolhas mirandesas son lhargas, sien quelores. Cumo se to mundo fusse scola ó la scola fusse to l mundo.
La stória de la lhéngua mirandesa yá nun s´agarra nien se perde.
L paíç percisa desta fuorça, desta garra, desta eimensa einergie que nun se sconde: salta de las fuolhas de La Gameta l'atitude, la palabra, la bida – la tierra i l'alma mirandesa.
Por mie parte quiero l muito la La Gameta, até tengo proua neilha - cumo sous outores. Stá screbida nua lhéngua “guapa i campechana” , ua lhéngua que you amo; fala-me de la nuossa tierra i de la nuossa giente - cun un carino special. Bai a quedar mui acerquita de mi; ye bien siguro que bou a passar sfregantes mui buonos.
Teresa Almeida
Publicado Na "Fuolha Mirandesa"  - do jornal Nordeste.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Bruxaria


Não responde célere a imaginação
a um serviço encomendado
mas hoje não pude resistir à tentação 
de bruxo todos temos um bocado

Em qualquer beco ou esquina
há um assalto bem armado
uma luz que espreita e incendeia
o poeta afoito e descuidado

Disfarces de abóbora menina
e vassouras a varrer o espaço
Talvez ataques de bruxaria
salvassem o nosso pedaço

Não, não temos medo de bruxaria
estamos mesmo precisados
de altas doses de alquimia
e de espíritos iluminados

Teresa Almeida