O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

ousadia

Flutuo na musicalidade das palavras
no riso da minha mãe, no sorriso
e nos salpicos de ternura de filhas e netas
na saudade de um grande amigo - o meu pai
no quintal da minha avó, na eira e nos brincos de cerejas
corro sonhos em ladeiras
flutuo no encantamento do rio
na esperança e no aprumo dos pinheiros
e em fragrâncias de flor de laranjeira

mas nem sempre acerto o ritmo,
tropeço na falsidade, na dor, na desilusão,
no desencanto, na tempestade, no verso arrastado vadio
esfarrapado, no ciúme, no abandono e na ingratidão

mas puxo lentamente a cortina
agarro cordas de esperança
rasgo a Primavera do alto das arribas do Douro
assalto castelos, rompo sapatos
vagabundeio em desfiladeiros de amor
o meu tesouro

os sonhos fazem-se ao largo
 embrenho-me na sedução do mar e em nesgas de praia
onde o carinho é luzeiro, uma exaltação, um bem maior
deslumbro-me na Índia nos bailes repasseados, no som das gaitas de foles
devaneio num portão de mar

 numa varanda do Faial o esplendor, o fascínio original
 abro pastas de rosas prenhes de madrugadas e olhares de veludo
chispam estrelas nas palavras
 permaneço na alegria da nossa canção
e esta ousadia não controlo nem procuro saída
mais que tudo
a poesia é emoção, é um brinde à vida.



3 comentários:

  1. A tua poesia emite a musicalidade do teu sentir;

    rico de afeto,leve e pleno de perfume de flor

    de laranjeira...

    E nos faz sentir:

    "a poesia é emoção,é brinde à vida."

    Adoro sempre ler-te!

    Parabéns pelo sucesso do teu livro!

    Beijinho,amiga.

    ResponderEliminar
  2. Já tive oportunidade de te dizer que foste muito feliz neste poema/resumo, em emoção traduzido...

    Bjuzz :)

    ResponderEliminar
  3. um brinde á vida, um brinde a ti...!

    uma poesia que relembra o percurso, os sonhos

    da vida,

    gostei muito.

    Beijinho

    ResponderEliminar