O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Apresentação da autora, Teresa Almeida e obra “Ousadia” – Casa Barbot – Vila Nova de Gaia



Era uma vez (todas as histórias têm sempre uma vez) uma menina de olhos esperança que se cruzaram em âmbito de trabalho. Algum tempo vivenciado com alma, com empenho, com vivacidade. A inevitável separação mas sem que houvesse vontade de perder o contacto. Alargou-se esta cumplicidade na pessoa da sua mãe, Teresa Almeida, a autora aqui presente.
Depois, foi a troca de ideias, a partilha de sentires, o incentivo para “ousar” divulgar os seus escritos. E o livro que deu à estampa, já estava inscrito na sua matriz genética.
Os poemas imagéticos fluem como como pinceladas em tela vazia, umas mais intimistas, outras mais soltas, colorindo a paisagem que é, em si mesmo, a sua pessoa.
Uma poesia das sensações, mesclando o visual, o auditivo e o olfativo no percurso vivencial de menina, moça e mulher. Mulher de pleno sentido, inteligência de emoções nos cenários com que coabita ou que nos faz vislumbrar nos versos ricos de imagens, enraizadas no telurismo próprio das suas origens e no mundo mais citadino por onde também deambulou e deambula frequentemente.
Estive presente no lançamento do seu “Ousadia”, em Miranda do Douro. Acompanho a sua poesia mas, sobretudo, conheço o seu deslumbramento por este novo mundo que são as pessoas e as palavras que as definem.
Do virtual ao real, tudo é como um passe de mágica quando a cumplicidade é suportada pela amizade. Assim, não podia deixar de estar presente nesta apresentação, em tão belo espaço, quase mítico.
Também não esqueço a tua presença no lançamento do meu “EM SUSPENSO”… Já passaram quase dois anos, mas o ontem é sempre um hoje para nós…
Parabéns, uma vez mais, por nos presenteares com a tua “Ousadia”, uma obra de audaz fantasia. Cumprimento a amiga, a autora, a mulher. E as palavras que são o teu poema/vida! Beijo-te, Teresa Almeida.

Odete Ferreira, 22-02-13
Magestic, Porto
- Mesa: Manuela Bulcão, Teresa Almeida, Odete Ferreira, José Sepúlveda. 

3 comentários:

  1. Foi uma honra ter-te comigo, poetisa amiga, num momento alto da minha vida. A tua presença fez todo o sentido dado que a nossa amizade foi construída no universo enriquecedor e emocionante das palavras. É nelas que te revelas íntegra, interventiva e amiga. Na verdade, a primeira vez que te vi, mesmo à distância, colhi a impressão que te conhecia de toda a vida. Lembras-te que no lançamento do teu livro nos cumprimentámos com uma enorme gargalhada de contentamento? Não me esqueço. :)
    Caminhar a teu lado é um grande privilégio.
    BEM HAJAS!
    Beijo-te e abraço-te, Odete Ferreira.

    ResponderEliminar
  2. Que bem ficou aqui no teu cantinho...De resto, nada mais a acrescentar. Estamos, poetamos falando... Acredito que haja uma aura das cumplicidades. Envolveu-nos, envolve-nos...

    Sempre um até já, Teresa Almeida!

    Um abraço com beijos efusivos a decorar...:)

    ResponderEliminar
  3. Muito belo,estas duas queridas poetisas selando a amizade e a excelência poética

    na partilha,no caminhar...

    E a vida assim é mais verdadeira e Divina...

    Beijos nas duas queridas!

    ResponderEliminar