O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

terça-feira, 18 de junho de 2013

Deixa-me ficar


 Senti fremente o teu apelo
leve rodopio em meu ser
furtiva promessa divina

eu quero deste jeito sagrado
eu quero o teu querer

Deixa-me subir embriagada
ao meteórico instante
ao alto da palavra

Deixa-me lá ficar
suspensa no teu toque preferido
em sintonia melódica
contigo

Teresa Almeida


 

 

6 comentários:

  1. O poder que a palavra tem, no turbilhão do desejo... A tensão, a que o verso obriga... Muito forte, quase visual!

    ResponderEliminar
  2. A tua melodia poética é de uma beleza irresistível...

    As tuas palavras transmitem emoção,nos absorvendo,querida amiga!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. é um gosto estar num blog tão bonito e repleto de boa poesia| abraço
    zeal

    ResponderEliminar
  4. Há harmonia, há ritmo , há poesia...gostei muito Teresa!

    Deixo beijinhos!

    ResponderEliminar
  5. Teresa, Querida

    Bem dizes e muito sentes.
    "[...]Deixa-me subir embriagada
    (...)
    ao alto da palavra [...]"
    Sentimento sentido.



    Beijos



    SOL

    ResponderEliminar
  6. Um desejo a pulsar no peito...da palavra :)
    Encantador!

    Bjuzz, Teresa :)

    ResponderEliminar