O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Porto poético



Deixa-me apalpar a magia da cidade           
as cores maviosas em que a respiras
azuis, vermelhos e amarelos acesos
deixa-me apalpar o namoro do teu olhar
os teus passos amorosos, descalços
e os abraços nas pedras da calçada
a história calcorreada

em cada anoitecer as cores adormecem amadas
há melodias íntimas que cada um conhece
uma prece que se canta e saboreia em cada esquina
há sobreposição de sentidos melódicos
nas pinceladas que esbracejam de afeto
deixa-me apalpar a cidade em cada recanto ou beco
em ti descubro-a tal qual a conheci
deixa-me adivinhar as estrelas que romperam as janelas

deixa-me inebriar na pintura que não quero entender
nem sequer comentar, quero apenas sentir e desejar
o teu poema pictoricamente épico
deixa-me penetrar a eloquência do teu versejar
são torres, são rios, são pontes, são navios
este  é o país que aqui se canta e diz
é o Porto poético!

Teresa Almeida

(Pintura de Santiago Belacqua) 
 

10 comentários:

  1. E vale mesmo a pena apalpar o Porto, porque é uma cidade muito interessante.
    Tal como o teu poema, que é excelente.
    Teresa, querida amiga, tem um bom domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Belíssimo!

    Grata por viajar neste porto poético e sentir

    cada palavra como um passo

    dessa viagem encantada...

    Beijos,querida amiga!

    ResponderEliminar
  3. Inspirada poesia, não há como ser diferente, estamos diante de uma grande poetisa e de uma cidade que carrega em suas ruas e história, tantas condições para cantá-la.

    Certa ocasião fiz minha singela homenagem à essa cidade, na qual deixei meu coração. Saí do Porto, mas o Porto não saiu de mim. Se desejares, podes ver aqui, Teresa:
    http://cantodaboca.blogspot.com.br/search?q=Meu+porto+sentido

    Obrigada pela carinhosa presença no Canto!

    Beijo!

    ;))

    ResponderEliminar
  4. Que dizer??? Excelente Teresa!!!

    Beijinho amigo!

    ResponderEliminar
  5. Um poema matizado de cores e sons, verdadeira (e bela) ode apaixonada a uma cidade que tão lindamente retratas.

    Um carinhoso abraço, Teresa, bom fim de semana,
    André

    ResponderEliminar
  6. Querida Teresa

    Um Poema saboroso (real) do meu (nosso) Porto.
    Acho que me "introduzi" dentro do lirismo deste Canto.
    Parabéns.


    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  7. Olá Teresa,

    Saudade de ler-te,amiga...

    Passei aqui para sentir o teu aroma e voo poético que encantam...

    Beijinho.

    Ps :Adoro a tua meiga visita e teus belíssimos comentários...

    ResponderEliminar
  8. Uma longa paragem... espero que estejas bem.
    Teresa, minha querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Bem, agora já gosto do Porto. Há cerca de um ano, escrevi, numa esplanada,portuense, sobre esse novo sentir. Se continuasse a não gostar, este teu poema dava-me a volta :) :)
    Lindo!
    Bjuzz, amiga :)

    ResponderEliminar