O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sábado, 19 de janeiro de 2013

Para ti, estrela incandescente

Hoje eu sou a nostalgia da tarde na espanada

espalhada em lágrimas plenas de reflexos emotivos

as patas das aves confundem-se, espelham-se

e cruzam-se num tango de amor ressentido

Na luz difusa desta tarde desfeita em chuva

até o sol te saúda com lenços de um rosa sedutor

e uma voz imensa e inquietante no marulhar das ondas

oferece-me um orfeão de poesia

O mar que não cabe em de si de alegria

esbraceja a meus pés

e esbraceja porque eu estou e não estou contigo

Hoje és estrela a brilhar em gotas de saudade

e eu que gostaria de beber a magia desta noite

em longuras planálticas te aplaudo, estrela incandescente

e desta esplanada de mágoa te escrevo

e busco o apaziguamento nas palavras

e nas nuvens que voam muito à frente

Em enorme ânsia te abraço

e me junto à multidão de cantos com sotaque

e uma linguagem inteligível a 300 km de distância.




Teresa Almeida




(Hoje em Porto de Poesia no Orfeão do Porto
Poetisa da noite - Ana bárbara de Santo António

Dinamizadora : Ana Homem albergaria)

 

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

"La rialidade ye einacreditable"

L'arble milenar abraçaba la casa. Era gigantesca i deixava que ls suonhos s'ancarrapitáran até se perdéren nas streilhas. Las portaladas eimensas abrien-se a la calor macie i premitien que la lhuç i la magie de la sabana africana antrássen sin trabones.

Talbeç esta bison atamasse l friu qu'apertaba las arbles znudas i prateadas que las bistas de l praino nordestino, na rialidade, ouferecie. Era un bício maduro este qu´ eilha tenie de oupir las persianas i abrir l die quando se lhebantaba, mesmo que ls cristales de carambelo bordassen un praino angaranhido.

Até nun cenairo eidílico l miedo puode ser assi: guapo, atlético i beloç cumo la pantera negra que saltou de l'arble i se sgueirou pula portalada de la sala.

Ye claro que la mulhier biu l peligro - claramente; tenie siempre l coraçon d'atalaia. Corriu pa l refúgio, mas la chabe era mui fraca an relaçon a la grima. Solo poderie pertencer a un almairo guardado an triato de trastes bielhos. Un pequeinho trinco, an andeble puorta, para porteger un tesouro sin précio: ls filhos.

Spertou an subressalto i dou l salto para fuora de l suonho. Até l'almofada tembraba de grima. Ye que la rialidade, tamien puode ser paborosa - einacreditable.

Anque spierta, eilha deixou que l suonho cuntinasse a galgar puls galhos dua magnífica arble, talbeç para ampedir que l miedo abaixasse.

 

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

De ti

De ti guardo a fantasia
roubada à socapa no jardim ao lado
guardo páginas rubras de poesia
um fado, um livro
e a urgência do romance
apenas começado

De ti guardo a liberdade do olhar
no fulgor perscrutador do silêncio
guardo palavras com aroma a café
e o diálogo acordado dos lábios
noite dentro

De ti guardo a alegria
de sementeira matinal
guardo a rosa rubra aberta à alvorada
e um cravo vermelho amadurecido
colhido por mãos que furtam flores
à madrugada