O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 6 de novembro de 2014


(Pintura de Carolina Henriquez V.)

NOSTALGIA

 
Quando entro no teu leito
há um diálogo imperfeito
Talvez tenha que tê-lo e dizê-lo
para dele extrair a dor
e mergulhar no prazer de escrever,
dilacerar o teu seio inquieto
neste tema aberto,
na nostalgia do entardecer.

 
Se me tocas
trazes-me ainda a vontade de mudar de rumo,
a vontade de viver: talvez por ti, talvez por mim.
mas é certo que não te amo, não te quero perto,
não se reuniram os astros para te fazer minha,
não se voltaram os búzios
para te incluir na minha sina,
e se me quiseres terá que ser a doer,
porque aos pés da minha mãe não te vi,
porque, na hora em que nasci,
gritei!

 
Teresa Almeida

11 comentários:

  1. O choro, no acto do nascer, é sinal de Vida. Escrever, descende dessa vitalidade em comunicar. A paixão entrelaçada na sua essência se pode transformar a nostalgia no princípio do escreviver.



    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  2. Que emoção de ler um poema tão excelente, belo e
    profundo.
    Desnudando a nostalgia, desafiando a sua hipnose e
    transfigurando-a num poema renascido de luz...

    Parabéns,querida (luminosa) poetisa!!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Um grito que ecoa
    e estimula a não desistir

    Belo

    ResponderEliminar
  4. Tenho o (péssimo) hábito de querer extrair mensagem da poesia. Mas sei que há poesias que só se devem ler/reler apenas pela construção poética, pela fluência do sentir de quem escreve. Eis o que sinto em relação a esta: ficar-me pela emoção da leitura. Não obstante, ouso dizer que vejo uma dor contida que se exorcizou nos versos... Será? :)
    Gostei imenso, amiga Teresa.
    Bjuzz :)

    ResponderEliminar
  5. Olá Teresa!
    Estive a ler este e outros poemas teus, e gostei muito!
    Sobre este só me acontece dizer que o grito que damos ao nascer será o grito, por vezes abafado que nos acompanha vida fora, e que cada um soltará à sua maneira. Nós tentamos soltá-lo através da escrita.
    Desculpa tratar-te por tu, mas pessoas mais ou menos da minha idade é assim que as trato.:-)
    xx

    ResponderEliminar
  6. Bom dia, Teresa
    Um excelente poema, cheio de vigor e força, tal como o grito à nascença.
    Não basta lê-lo, é preciso "pensá-lo" para lhe sentir todo o sabor amargo-doce que encerra.
    Gostei MUITO!

    Bom fim de semana.
    Um beijo
    Miguel

    PS - Adorei a tua presença. Volta mais vezes, que farei o mesmo sempre que o meu "apertado" tempo o permita. Dia 24 haverá novo post.

    ResponderEliminar
  7. Pois é... O teu poema não é de leitura fácil... Li e reli e, para mal dos meus pecados, que os tenho, pois eu não sou nem quero ser um santo, arranjei três ou quatros leituras possíveis... Em qualquer caso, ficam comigo. O que não fica (por dizer), pois digo já, é a excelência do teu poema. Foste brilhante, mais uma vez.
    Tem um bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Há gritos que ecoam no inconsciente, outros que se tornam presentes em cada toque de perfume e de saudade.
    E é este eco de beleza que fazes chegar até quem te lê Teresa.
    Abraço forte!

    ResponderEliminar
  9. Um poema forte, um grito que dói...é essa a arte da poesia, mexer com as emoções.
    Gostei muito. Beijinho Teresa....:)

    ResponderEliminar
  10. Nos comentários dos amigos posso sentir o pulsar das minhas palavras.
    Num sentido abraço, a minha gratidão.

    Teresa Almeida

    ResponderEliminar