O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Viajo na garupa


Há um voo de mil aves em festivo acasalamento
atitude desafiante, pensamento escorregadio.
O norte é o desassombro e a liberdade.
No corpo um dinamismo avassalador,
 como se o trotear fosse a canção.

Cabelo solto na dimensão do vento,
açoite propulsor de ilusão.
Quando o ritmo aperta, a palavra, sem idade,
desata -se espavorida ,
parte em frente, luzidia, e o trotear dá-lhe o ritmo
de melodia consentida.

Viajo na garupa, pegadas nuas
marcam caminho de areias inconstantes.
Fora do sonho, a sombra em sentido contrário,
continua rastejante; como se num outro eu
ela vivesse e sem mim viajasse.

Teresa Almeida