O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 25 de setembro de 2014


FAZ-SE OUTONO

e a minha pele torna-se sensual, molhada,
acariciada da forma mais pura.
A cadência é meiga, redentora. Deixo-me penetrar!
Escuto a harmonia desta batida outonal!
Os primeiros frios exultam a sensibilidade, o sentir;
hidratam-me a mente. O outono depura-me o paladar.
 
Que venham as uvas maduras a beijar-me os lábios sedentos,
que venha a chuva, o vento e as aves tresloucadas,
que se dispam as árvores e para ti sejam verdade!
E nós, aquelas folhas bailarinas, esvoaçantes
sem sabermos onde arrumar o rigor do inverno,
conceberemos um recanto, um socalco nas arribas
aonde o rio nos possa namorar.
 
E todas as horas serão nossas e cantarão
nos olhos dos grifos e no orvalho das palavras
as madrugadas que se acenderão para nós.
O riso celebrará a festa que abriremos.
Ah! e os olhares! os olhares espelharão
o regalo da tarde e a luxúria do sol pôr.
E por ali ficaremos até sermos humos, flor, vida;
até percebermos o mistério a explodir
e um fio de emoção a abrir indefinidamente .
 
Teresa Almeida

sábado, 13 de setembro de 2014

O Ocaso da vida



Há um entrançado divinal a ladear-te o caminho,
os tons esbatem-se na neblina e tu
deslizas num mundo que se vai diluindo...
e as tranças do cabelo embranquecendo.
Sentes que a vida se vai perdendo
à medida que os passos descem a ponte
em comunhão e intimidade construída.
Os candeeiros esguios são esculturas,
luz que findou nos cofres da luxúria.



Desces com elegância e entardeces de bem contigo.
Pareces ter um destino escrito nas vestes escuras,
um mistério cravado nas pedras da calçada.
Olhas mas já não queres ver nem sentir.
A luz magoada da tarde realça a lonjura
e o movimento de desafio ao infortúnio.
Nos contornos esbeltos do teu corpo
escapa-se um jeito dolente que arrefece quem te vê.
Pareces indiferente em descontraída atitude.
Voltas as costas como quem cede a fatal destino,
sentes na pele o sol a arder no ocaso da vida.
Teresa Almeida


sexta-feira, 12 de setembro de 2014

PARABÉNS, TERESA ALMEIDA!



Mulher das duas línguas de Miranda (1)
Excelsa professora em sua vida,
Hoje essa Poetisa amiga querida
Que cá no pensamento me ciranda,

Meu desejo de ir vê-la não abranda
Lá onde o Douro entra e na corrida
Se espalha em nossa Pátria na descida
Que o traz até ao Porto... e tanto anda!

Teresa de seu nome. A simpatia.
Que no modo de ser toda é poesia
Com gestos sempre alegres e ufanos!,

Que conte aniversários sem ter conta!
Que o sol que lá da Espanha lhe desponta
Lhe aqueça sempre a vida longos anos!

Joaquim Sustelo
(Administrador de Horizontes de Poesia)

(1) em Miranda do Douro fala-se português e mirandês
Parabéns Amiga!

 

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Feira do Livro


Respondendo ao convite que me foi endereçado, estarei amanhã  (11 de Setembro, pelas 20,30 h) na Feira do Livro em Mafamude - Vila Nova de Gaia.
Terei imenso prazer em abraçar os meus amigos.
Teresa Almeida

terça-feira, 9 de setembro de 2014