O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Abraço arrochado


Registar as minhas emoções é prolongar o que me dá prazer ou arrancar de mim todas as agruras. É como ir ao psiquiatra e deixar a conversa fluir sem freios.

Hoje foi um dos dias de registo, hoje fui dar-te um abraço, daqueles teus - arrochados -, abraço de amigo que se quer sempre perto. Não podia deixar de ir. Fui até Sendim, a tua terra, e encontrei-te metido numa capa que nunca te tinha visto. Parecia que deveria vir dos afetos que se aconchegam nas palavras. Encontrei-te rodeado de amigos porque tens um coração do tamanho do mundo, onde cabe sempre mais um. Eu sou um daqueles que tem o privilégio de conhecer e sentir essa capa de amizade. Bem hajas!
Encontrámo-nos no lugar dos sons da terra, um espaço que te é muito querido. Ao passar pelos bancos, às portas das casas, lembro-me que sempre lá viste os amigos que já partiram como eu na minha rua ( até os vejo ao postigo!). Parece que ficámos contagiados e mais amigos entre nós, só por estarmos irmanados contigo, com as letras, com o calor da sabedoria e dos afetos.
Desta vez eram "Ditos Dezideiros" que recolheste para engrandeceres as duas línguas de Portugal. Ninguém pense que este país terá o mesmo vigor e conteúdo cultural se não lutar pelas duas, se não se mostrar ao mundo na autenticidade da sua história.

Sabemos que o trabalho e a curiosidade sempre deu vida e luz ao teu olhar, Amadeu Ferreira!
"Não pares de escrever", dizes-me sempre que nos falamos. Fico um pouco embaraçada, mas aguças-me esta vontade, este prazer que me move.

"Isto é algo sério", teimas em repetir. Na verdade quando leio um livro teu, é isso mesmo que sinto, é o valor daquilo que realmente importa, um legado dum amigo, dum escritor contemporâneo da nossa terra. É uma experiência tão forte que falta força às palavras.

"Teresa, queres pertencer ao grupo? - perguntaste-me um dia, só por te aperceberes do meu apreço pela língua mirandesa - o teu graal!
Entrar para os Blogueiros Mirandeses é um prémio que guardo com carinho, no lugar dos meus tesouros. Encanta-me calcorrear caminhos, conhecer a história dos lugares, falar e ouvir a língua da origem de Portugal, a língua do planalto, a língua de "La BOUBA DE LA TENERIE", a língua de "NORTEANDO".

Ainda hoje te fui ver e guardo o teu sorriso, a força do teu olhar e as palavras que sabes que me fazem bem. Tens tanto para dar e até parece que dares-te aos outros é o alimento da tua alma.

Ainda hoje me disseste "tens escrito, Teresa?" Não pares! Os teus upas sempre me aqueceram as palavras.

À saída, Alfredo Cameirão, outro sabido da língua mirandesa despediu-se assim: escreve, Teresa!

Bem, sendo assim: aqui vai!

ABRAÇO ARROCHADO

Registrar las mies eimoçones ye prolongar l que me dá prazer ó arrincar de mi todas las agruras. Ye cumo ir al psiquiatra i deixar la cumbersa scorrer sin trabones.

Hoije fui un de ls dies de registro. Hoije fui-te a dar un abraço, daqueilhes tous - arrochados -, abraço d'amigo que se quier siempre acerquita. Nun podie deixar d'ir. Fui até Sendin, la tue tierra, i ancontrei-te metido nua capa que nunca te tenie bisto. Parecie que deberie benir de ls afetos que s´ arróchan an las tues palabras. Ancontrei-te arrodeado d'amigos porque tenes un coraçon de l tamanho de l mundo, adonde cabe siempre mais un. You sou un daqueilhes que ten l prebileijo de coincer i sentir essa capa d'amisade. Bien haias!

Ancuntrámos-mos ne l lhugar de ls sonidos de la tierra, un spácio que te gusta muito. Al passar puls bancos, a las puortas de las casas, lhembro-me que siempre alhá biste ls amigos que yá partírun cumo you an la mie rue ( até ls beio al postigo!). Parece que, nesta tarde, ficámos cuntagiados i mais amigos antre nós, solo por starmos armanados cuntigo, culas lhetras, cula calor de la sabedorie i de ls afetos.

Desta beç éran "Ditos Dezideiros" que recolhiste para angrandecires las dues lhénguas de Pertual. Naide pense qu'este paíç terá l mesmo bigor i cuntenido cultural se nun lhuitar pulas dues, se nun s´ amostrar al mundo na berdade de la sue stória.

Sabemos que l trabalho i la curjidade siempre dou bida i lhuç al tou mirar, Amadeu Ferreira!

"Nun pares de screbir", dizes-me siempre que mos falamos. Fico un pouco ambaraçada, mas aguças-me esta buntade, este prazer que me mexe.

"Esto ye algo sério", teimas an repetir. Na berdade quando lheio un lhibro tou, ye esso mesmo que sinto; ye l balor daqueilho que rialmente amporta, un lhegado dun amigo, dun scritor cuntemporáneo de la nuossa tierra. Ye ua spriéncia tan fuorte que falta fuorça a las palabras.

"Teresa, quieres pertencer a la quadrilha? - pregunteste-me un die, solo por sentires l miu aprécio pula lhéngua mirandesa - l tou "graal"!

Antrar pa ls Blogueiros Mirandeses ye un prémio que guardo cun carino, ne l lhugar de ls mius tesouros. Ancanta-me calcorrear caminos, coincer la stória de ls lhugares, falar i oubir la lhéngua de l'ourige de Pertual, la lhéngua de l praino, la lhéngua de "La BOUBA DE LA TENERIE", la lhéngua de "NORTEANDO".

Inda hoije te fui a ber i guardo la tue sonrisa, la fuorça de l tou mirar i las palabras que sabes que me fázen bien. Tenes tanto para dar i até parece que dares-te als outros ye l'alimiento de la tue alma.

Inda hoije me deziste: tenes scrito, Tresa? Nun pares! Ls tous upas siempre me calecírun las palabras.

A la salida, Alfredo Cameiron, outro sabido de la lhéngua mirandesa, çpediu-se assi: scribe, Tresa!

Bien, sendo assi: ende bai!
 
Teresa Almeida Subtil (in Jornal Nordeste)


 

10 comentários:

  1. Um Post/Artigo muito conseguido.
    Escreve sempre, Teresa! Lembra-te das raízes que te prendem á Terra de Miranda.

    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  2. Que lindo post, e que belo abraço, Teresa!
    Comovente até ler o que escreves sobre o teu amigo Amadeu Ferreira, e o amor que vos une em relação à Língua Mirandesa, (da qual eu nada conheço, embora tivesse lido tudo agora, tentando captá-la), e o desejo de querer mantê-la viva.
    Para além disso, esse ímpeto da amizade e admiração mútua, que o faz dizer: "Não pares de escrever". E tem toda a razão, nunca pares de escrever, em Português e em Mirandês.
    Bonito, tudo isto.
    xx

    ResponderEliminar
  3. Que bom abraço! Que bom ter amigos assim! Que bom guardar a memória das coisas belas!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Nunca tinha ouvido o "abraço arrochado". Acho que não faz parte do vocabulário minhoto...
    A amizade é dos sentimentos mais nobres. Por isso, quando 2 pessoas amigas de alma nobre se encontram, são naturais esses abraços.
    Mas, mesmo à distância, também digo: Escreve, não pares de escrever.
    Tem uma boa semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Só corações que respiram a pureza do planalto falam com a pureza da alma . E é com um abraço bem arrochado que te dou os meus parabéns pelo teu sucesso poético, Teresa!

    ResponderEliminar
  6. Simplesmente lindo,pura emoção, a amizade é uma
    preciosidade rara. Faço coro com teus amigos:
    "não pares de escrever",nunca,viu?
    Interessante que aqui no nordeste usamos este
    termo,abraço arrochado...
    Beijinhos e um abraço arrochado,Teresa!

    ResponderEliminar
  7. Não me vou alongar. Já li este texto/artigo mas preferi deixar no teu espaço um breve comentário. Entendo-o e sei o quanto reflete o teu sentir comovido e já saudoso de tão grande vulto. É também um texto da memória, uma viagem por caminhos que são comuns.
    Deixo-te com a brisa dos afetos, querida Teresa.

    ResponderEliminar
  8. Querida Teresa, enternecida fiquei com a preciosidade da tua alma....a amizade é dos sentimentos mais grandiosos...
    Beijinho afectuoso de gratidão pelo belíssimo texto.

    ResponderEliminar
  9. Saber onde pertencemos, saber por onde andamos...
    Arrepiei-me, Teresa. Obrigado pelo momento.

    Um beijo :)

    ResponderEliminar