O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Enterro do ano velho.

 

Pela noite velha queima-se o ano, em cerimónia ritual. Uma tradição solsticial que não queremos deixar morrer. Esta foi uma noite que quisemos viver - não direi em plenitude - mas aproveitando os últimos acordes antes de rasgar a página e seguir em frente. Bem sei que o tempo é selvagem e voraz e teima em escrever o calendário em nós. Apesar de tentarmos domesticá-lo com festejos, somos marcados, ano após ano, qual código de barras. 
Nesta última noite de 2014 - bem geladinha, como é próprio da época, só uma grande coragem arrancou alguns ao aconchego do lar.
Nos olhares uma intrínseca mistura de sentimentos.
Faltam as máscaras! diziam alguns. É verdade, sentimos que faltaram as máscaras para que as pessoas se pudessem evadir e queimar, sem medo, as agruras e as revoltas. Desde tempos imemoriais , sabemos da necessidade de soltar personagens treatreiras, talvez as mais genuínas.
A ideia é queimar só os maus momentos porque os bons não os deixaremos morrer; não queremos extinguir-lhes a chama.

Teresa Almeida Subtil


7 comentários:

  1. Esta minha visitinha rápida não invalida que eu volte com mais tempo e comente.
    O “copy & paste”, de que me estou servindo e só uso quando não tenho alternativa, serve apenas para agradecer a tua última presença no ÉS A MINHA DEUSA.
    Que 2015 seja particularmente benéfico e realize os teus sonhos.
    Até tão breve quanto possível. Obrigado pela compreensão.
    Um beijo/abraço.
    MIGUEL

    ResponderEliminar
  2. É bom manter as tradições. Que o Ano Novo lhe traga tudo o que deseja.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Olá Teresa!
    Feliz de quem ainda assiste a rituais desses.Aqui no Algarve, é só bebedeiras pela rua, e fogo de artifício para os turistas. Eu fiquei em casa no quentinho.
    É bonito assistir a um ritual simples, mas com muito significado; enterrar um ano para receber outro, como uma renovação.
    Bom fim de semana.
    xx

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito Teresa! Cada terra com os seus costumes....gostei muito de ler este enterro do ano velho....

    Desejo-te um excelente 2015, para ti e para os teus. beijinho grande....:)

    ResponderEliminar
  5. Uma tradição que interessa preservar.
    Mas que voltem as máscaras...
    BOM ANO, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Que se preserve a cultura deste país pelo menos por quem vive genuinamente o que ainda é imaterialmente nosso....
    E que bom que nos recordes !
    Bom ano querida amiga , Teresa

    ResponderEliminar