O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

terça-feira, 3 de março de 2015

Serenidade

Serenidade (an mirandês)

Partiste cumo un assopro,
cumo un airico tan brabo quanto sutible
de pura poesie. ...
Ancuontro-te, inda, streilha fulgurante,
ancentibo, sementeira a germinar
na naturalidade de ls caminos que trilheste.
Ancuontro, inda, na palabra derramada,
nas páiginas que deixeste, l brilho, la singularidade de l mirar,
la fiesta de la bida nua berdadeira risada - la tue.
Ancuontro-te, percipalmente, na serenidade de la lhuç q'abre camino
i mos amostra las pequeinhas coisas, las que rialmente amportan.
Ancuontro, ne l splendor de l die que, an mi, se recuolhe,
tantas rezones para dezir:


 bien haias, Amadeu Ferreira.



 Serenidade

Partiste como um sopro, como uma brisa,
como um perfume tão agreste quanto subtil
de pura poesia.
Encontro-te, ainda, estrela fulgurante,
incentivo, sementeira a germinar
na naturalidade dos caminhos que trilhaste.
Encontro, ainda, na palavra derramada,
nas páginas que deixaste, o brilho, a singularidade do olhar,
a festa da vida numa genuína gargalhada - a tua.
Encontro-te, principalmente, na serenidade da luz que abre caminho
e nos ensina as pequenas coisas, as que realmente importam.
Encontro, no esplendor do dia que, em mim, se recolhe
tantas razões para dizer:


 Bem hajas, Amadeu Ferreira.

Teresa Almeida Subtil


(Amadeu Ferreira era Presidente da Associação de Língua e Cultura Mirandesas.) 


5 comentários:

  1. Há pessoas que deixam precioso e benigno rasto.
    Bela homenagem, Teresa!

    ResponderEliminar
  2. Uma referencia incontornável

    testemunho vivo
    que não deixaremos morrer

    Bj

    ResponderEliminar
  3. Gostei de ler o poema nas duas Línguas, e que significativo isso é, como dedicatória a um amigo que partiu, e não por acaso, era o Presidente da Associação de Língua e Cultura Mirandesas.
    Um belo poema para um homem belo.
    xx

    ResponderEliminar
  4. Um poema muito belo. Uma homenagem a um homem que não deixaremos morrer...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Nem seria preciso, mas deixo um breve apontamento, sabendo que, o que escrever sobre o teu poema/homenagem, será apenas uma gotinha no muito que contêm as tuas palavras. Referes o brilho; de facto só as estrelas o têm na plenitude.
    Foi uma estrela em vida e continuará viva nos corações que o amam...

    ResponderEliminar