O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sábado, 19 de março de 2016

A meu pai

Quando l riu ten este sereno i esta melodie,
fago de l siléncio un solo arrimo i galgo las arribes
sentindo l sol na piel de cada fruito q'amadurece.
Miro la tue mano a ouferecer-mos aqueilha laranja
d'ambelhigo, de piel fina - acabada d’ apanhar –,
cumo se fura un persente de ls cielos.

Si, ye berdade: manos de pai son manos de Dius.

Teresa Almeida Subtil

Sem comentários:

Enviar um comentário