O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

terça-feira, 8 de março de 2016

Mulher



Fico a olhar flores, cartas, poemas
e abrir momentos de que o coração se fez guardião.
Fico a saborear a alegria que o poeta canta.
Com gratidão.

Fico a sentir silêncios que ecoam
nos caminhos da dor, do ódio, da raiva,
do olhar alucinado que assalta, à socapa.

E é neste arrepio que a voz grita, desvairada.
Para a defender há um dia feito mulher.
E é pena!

Que não faltem flores, cartas, poemas
e, mais que tudo, momentos de dar e receber.

Teresa Almeida Subtil


1 comentário:

  1. Faltam muitas cartas, flores, e poemas, à maioria das mulheres. Diria que muitas delas nunca souberam nem saberão o que isso é. "E é pena!"
    Muito belo, Teresa.
    xx

    ResponderEliminar