O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Raiz de arçã / Raiç d´arçana



Aqui a palavra é ninho
Raiz de arçã
Passo estribado
Beijo, seda puríssima
Floresta a uivar
Noite atrecida
Alvura a espigar o dia
Desassossego
a espicaçar a chama
Riso às braçadas
Abraço a cheirar a rosmaninho
Espiga entrelaçada
Amor renascido
Em terras da Lombada.

Raiç d'arçã

Eiqui la palabra ye nial
Raiç d'arçã
Passo stribado
Beiso, seda puríssema
Floresta a oulear
Nuite atrecida
Albura a spigar l die
Zassossego
a spicaçar la chama
Risa a las braçadas
Abraço a cheirar a tomielho
Spiga antalisgada
Amor renacido
An tierras de la Lombada.

Teresa Almeida Subtil

2 comentários:

  1. Querida Teresa,

    "Aqui a palavra é ninho"
    Tão belo e sentir as raízes e o perfume
    da tua poesia é um privilégio!...
    Beijos saudosos em ti!

    ResponderEliminar