O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Miranda é uma cidade musical

Era dia da cidade e o povo saiu à rua
No salão nobre louvaram-se mirandeses
Que honraram a sua raiz
E a cidade quis enaltecer
Aqueles que deram a conhecer
O berço, terra mãe, matriz gloriosa
Homenagens merecidas que ficam bem
A quem o sabe reconhecer
E uma exposição de fragmentos da nossa terra
Pintados por quem a ama
Eu estava lá e ouvi com agrado
Em cada bocado uma tela
E em cada tela um grito de alma
Uma canção, um poema

A vida é multifacetada
E quando tudo se revolve em alegria dentro da gente
É que se sente este afago e esta proa
De ser povo em união.


Pela tarde subimos ao Museu terra de Miranda
Abraçámos os Galandum Galundaina,
Louvámos 20 anos de profícua musicalidade
A padronização da gaita-de-foles
A valorização da língua mirandesa 
E em paralelo, em íntima dissertação
Louvo a necessária convenção.


Miranda é uma cidade musical
Sem raça nem credo
E com música encerrou o dia
A nossa banda estava de prontidão
E, pelas ruas, fez-nos música e emoção
Todos fomos coração, coração sem idade
Com a seleção sofreu e vibrou
Era o dia da cidade e somos vencedores
com vontade sem igual de gritar bem alto
À frente Portugal!

--------------------------------------------------------------

Miranda ye ua cidade musical

Era die de la cidade i l pobo saliu a la rue
Ne l salon nobre lhoubórun-se mirandeses
Q'honrórun la sue raiç
I la cidade quijo einaltecer
Aqueilhes que dórun a coincer
L brício, tierra mai, matriç gloriosa
Houmenaiges merecidas que quédan bien
A quien le sabe recoincer
I ua sposiçon de cachicos de la nuossa tierra
Pintados por quien l'ama
You staba alhá i oubi cun agrado
An cada cachico ua tela
I an cada tela un grito d'alma
Ua cançon, un poema

La bida ye multifacetada
I quando todo se rebuolbe an alegrie andrento de la giente
Ye que se sente este afago i esta proua
De ser pobo an ounion.


Pula tarde Chubimos al Museu Tierra de Miranda
Abraçámos ls Galandun Galundaina,
Lhoubámos 20 anhos de guapa musicalidade
La padronizaçon de la gaita-de-fuoles
La balorizaçon de la lhéngua mirandesa 
I, an paralelo, an íntema dessertaçon
Lhoubo la neçaira cumbençon.


Miranda ye ua cidade musical
Sin raça nien credo
I cun música ancerrou l die
La nuossa banda staba de prontidon
I, pulas rues, fizo-mos música i eimoçon
Todos fumos coraçon, coraçon sien eidade
Cula seleçon sofriu i bibrou
Era l die de la cidade i somos bencedores
cun buntade sien eigual de gritar bien alto

Adelantre Pertual!

Teresa Almeida Subtil 

Sem comentários:

Enviar um comentário