O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

A Linha é Tua


A linha do Tua, que conheci ligada à minha paixão, surpreendeu-me como quando te vi pela primeira vez. Tanto não. A beleza do percurso era demasiado atrativa, não tanto como o poder dos teus olhos. O corpo do rio era ousado, atlético, não tanto como o teu quando me colei a ele para a vida toda. Mas colou-se aos meus encantos aquele percurso sinuoso que não voltei a ver. Também não conhecia Bragança nem sabia que albergava um mundo de palpitações …

Teresa Subtil

5 comentários:

  1. Que melhor cenário que a linha do Tua para sentir, profundamente, que "sou tua"...
    Sempre de uma grande envolvência, Teresa. gosto muito do teu estilo.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. Nunca andei na linha do Tua. E agora é tarde, porque penso não haver comboios já que estará inutilizada (li não sei onde que haveria um troço de uns 15 km que está a ser usada, mas não sei se é mesmo assim).
    Mas pelo que sei é uma zona muito bonita com zonas que dá para percorrer a pé (mas parece que são uns quilómetros...).
    Teresa, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Querida Teresa,

    Uma sutileza da poesia na nota sensual melódica
    do amor, da entrega e de uma beleza única!...

    Como é bela e original a tua expressividade
    poética, Grande Poetisa!!
    Adorei, minha amiga.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Quando fiz a linha do Tua fiquei totalmente fascinada, teresa.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Na sensualidade do poema somos levados ao tempo dos carris a serpentear montes.
    un beisico

    ResponderEliminar