O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 24 de novembro de 2016



Que trago?

… e o copo estava ali…
para trás as castanhas, a brasa,
o licor a repousar na adega 
a data, a hora, a etiqueta, a amora silvestre  …
até a laranja do pomar se remeteu
ao silêncio do inverno nas arribas.

Como disseste  em verso etílico e breve :
 deixa o açúcar
e percebe como arde um cálice de aguardente!
É verdade. Basta um trago
para silenciar a estridência das castanhas
e saborear as linhas de
um poema secreto.

E o copo é o corpo e a vida a passar
e o sabor vai tão depressa
que o corpo e a alma se deixam
plasmar de plenitude.

A beleza do copo é sentimental,
a antiguidade do balcão e a garrafa do canto
têm igual valor

e há palavras que me vestiste  
que se recusam a envelhecer.

Teresa Subtil


8 comentários:

  1. Minha amiga,

    Mais um poema teu a me deixar no silêncio
    da leitura preciosa, a tua poesia tem
    partículas de eternidade, pois sempre revela
    uma beleza poética que transcende a todos os
    lugares que já foram, as palavras, ditas.
    Mas, este teu estilo poético inspirado no dizer,
    inscreve a eternidade nesta beleza sútil e
    única das tuas palavras...

    Adoro ler-te, querida amiga!!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. assim se assam as castanhas...
    e se temperam de mel...

    (nada de manteiga)

    admirador de tua poesia
    (e do planalto mirandês rss).

    ResponderEliminar
  3. Fantástico, Teresa! As palavras assim nunca vão envelhecer. Toda a emoção lhes confere o direito de serem jovens...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Um voo que passando pelas brasas fica incólume perante a destreza da tua veia poética .
    Grande abraço Teresa !

    ResponderEliminar
  5. Nas brasas
    voam as suas palavras minha amiga
    Sempre um prazer visitar o seu espaço
    Bj

    ResponderEliminar
  6. Depois das castanhas, sabe bem uma boa aguardente. Ou jeropiga...
    Excelente poema, como sempre. Gostei imenso.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Uau, a isso chama-se cumplicidade!
    Belo, Teresa!

    Abraço :)

    ResponderEliminar