O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

segunda-feira, 21 de março de 2016

Mar de bruma

Mar de bruma Se há um mar de bruma em que me sinto envolvida se em secreta harmonia me prendo e suspendo, se a pergunta repetida tem nuances de hora e de partida, se na vida não sei se vou ou se venho, se sou rio a estremecer de encanto e neblina que enlouquece, se sou pura imaginação, se sou palavra, flor matutina com vocação de estrela, se sou alegria e pranto, deslumbramento sem razão, se não encontro a porta de saída, deixo a pergunta mil vezes repetida, deixo a palavra, frágil, toldada e perdida, deixo o beijo e o coração. Mar de nubrina (die de la poesie) S' hai un mar de nubrina an que me sinto arrolhada, s' an secreta harmonie me prendo i suspendo, se la pregunta repetida ten arressaios de chegada i de partida, se na bida nun sei se bou ou se bengo, se sou riu a tembrar d'ancanto i nubrina q' amboubece, se sou pura eimaginaçon, se sou palabra, flor purmeiriça cun bocaçon de streilha, se sou alegrie i pranto, se sou çlumbramiento sin rezon, se nun ancuontro la puorta de salida, deixo la pregunta mil bezes repetida, deixo la palabra, andeble, toldada i perdida, deixo l beiso i l coraçon.

Teresa Almeida Subtil

sábado, 19 de março de 2016

A meu pai

Quando l riu ten este sereno i esta melodie,
fago de l siléncio un solo arrimo i galgo las arribes
sentindo l sol na piel de cada fruito q'amadurece.
Miro la tue mano a ouferecer-mos aqueilha laranja
d'ambelhigo, de piel fina - acabada d’ apanhar –,
cumo se fura un persente de ls cielos.

Si, ye berdade: manos de pai son manos de Dius.

Teresa Almeida Subtil

terça-feira, 8 de março de 2016

Mulher



Fico a olhar flores, cartas, poemas
e abrir momentos de que o coração se fez guardião.
Fico a saborear a alegria que o poeta canta.
Com gratidão.

Fico a sentir silêncios que ecoam
nos caminhos da dor, do ódio, da raiva,
do olhar alucinado que assalta, à socapa.

E é neste arrepio que a voz grita, desvairada.
Para a defender há um dia feito mulher.
E é pena!

Que não faltem flores, cartas, poemas
e, mais que tudo, momentos de dar e receber.

Teresa Almeida Subtil


terça-feira, 1 de março de 2016

Ua frol para Amadeu Ferreira

Sós aquel que siempre s´ancuontra al mirar
l lhugar adonde las palabras tenen l sonido
de la tierra i de las gientes. L lhugar adonde las palabras
tenen sentido de bida chena a ressumar nua sonrisa,
nua frol a çpuntar nun camino qualquiera de l praino.
Sós aquel que siempre miramos ne l puial
adonde la lhéngua mirandesa relhampeija,
adonde la pessona cuntina a caminar,
cun sereno, norteando ls passos n’ alegrie de bibir.
Sós l poço adonde bamos a buer l que mais amporta,
sós aquel de quien dezimos: que buono haber-te coincido!
Sós aquel que siempre stá anque tengas partido.

Uma flor para Amadeu Ferreira

És aquele que sempre se encontra ao olhar
o lugar onde as palavras têm o som
da terra e das gentes, o lugar onde as palavras
têm sentido de vida plena a assomar-se num sorriso,
numa flor a despontar em qualquer caminho do planalto.
És aquele que sempre vemos no poial
onde a língua mirandesa relampeja,
onde a pessoa continua a caminhar,
serenamente, norteando os passos na alegria de viver.
És o poço onde vamos beber o que mais importa,
és aquele de quem dizemos: que bom ter-te conhecido!
És aquele que sempre está, mesmo que tenhas partido.

Teresa Almeida Subtil