O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Se eu pudesse!

Foto de Fernanda Chumbo.


Ah! se eu pudesse abandonar o castelo
construir defesas a meu jeito, saltar as ameias
do teu peito, libertar medos e anseios,
chorar entre a multidão tudo o que tenho direito,
descer a rua, erguida, de lampião na mão!

Se eu pudesse soltar pardais na escuridão,
deixar sem guarida a ambição desmedida,
fazer a fogueira na praça, cumprir o ritual
do solstício de Inverno, esconjurar o mal
e mandar para o inferno todo o ato desumano!

Se eu pudesse fazer da noite de fim de ano
um cântico de renovação que iluminasse
a madrugada gelada e se no grito que erguesse
arrancasse de raiz o que a razão não adormece!

Ah! se eu pudesse!

7 comentários:

  1. Querida Teresa,

    Belíssimo!!

    Com a imensidão deste teu poema, a inscrição deste teu
    cântico de renovação iluminou o universo no
    caminho das palavras com os gestos da irmandade
    da raça humana!...
    Beijinhos, Poetisa Amiga.

    ResponderEliminar
  2. A noite de fim de ano é apenas um tempo de renovação aparente para a maioria das pessoas. E o mundo, cruel e sem paz, permanece inalterado. Mas é sempre bom um grito como o teu, onde não faltaram fogueiras na praça nem pardais na escuridão.
    Excelente poema, adorei. Talento não te falta.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. "humanos, demasiado humanos", logo frágeis.
    mas há sempre um suplemento de alma, uma energia insuspeita, uma nova vereda a percorrer, um novo poema que espera ao dobrar uma esquina...

    o que importa é soltar os "miasmas" que teimam.
    e, então, "Podemos" - usando uma palavra que entrou na gíria.

    gostei mto do poema.
    beijo

    ResponderEliminar
  4. "Ah! se eu pudesse!"
    Maravilhoso, Teresa!

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Ainda se pode sonhar pelo menos...Gosto mesmo muito do que escreve. beijos

    ResponderEliminar
  6. A verdade é que não podemos tudo, mas a poesia já é um bom contributo para amaciar o mundo.
    Que não se calem os poetas , e muito menos aqueles que como tu, sublimam esta arte, ao seu mais alto nível...

    Beijinho Teresa, bom fim de semana...:)

    ResponderEliminar