O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sábado, 1 de abril de 2017

Chamam-lhe Ribeirica.



Por ali se saboreavam as iguarias da terra. Lembro-me, particularmente, dos ovos verdes da avó Angelina e dos peixinhos da ribeira do avô António (recheados de carinho) a saírem das cestas de vime. Pressinto que, agora, nos fazemos ao caminho e voltamos às nesgas de praia do rio Maçãs para revivermos o cálido sabor das antigas tardes de romarias e encontros de família.

E tu andas por ali, recolhido, morto de saudades, nos sítios onde o rio se faz criança e brinca, mostra o leito e salta as pedras redondas e macias.
Chamam-lhe Ribeirica, deram-lhe nome de mulher. Mais acima, o Colado.
E no teu olhar, perturbado, ainda mergulho. Nos teus silêncios, profundos, ainda transpareço. E salto contigo.
Só quem te ama entende: não pode ser um rio qualquer aquele que te viu crescer.


No quintal há, agora, uma pedra (raiana) que o rio amou, junto ao freixo de geração espontânea. Quando a Primavera a abraça, é ali que saboreio o café matinal, como se fosse o lugar mais alto do mundo. E então, na intimidade do silêncio, nasce um murmúrio de ribeirica a saltitar. Chego a sentir os pés molhados.


Teresa Almeida Subtil


13 comentários:

  1. Uma delícia de prosa poética!
    Bom sábado!!!
    https://mgpl1957.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. “Não pode ser um rio qualquer aquele que te viu crescer”

    A tua “ribeirica” tem o sortilégio de levantar a vibração de mostos antigos…

    … E mover as águas de meus rios confluentes – para nascente a “ribeira de Maças” (a tua poética Ribeirica) para leste o Rio Sabor - ambos soberbos no seu caudal de invernia e saltitantes ou a espraiarem-se nas margens, quase fio de água, na canícula de Agosto.

    Em ambos mergulhei com igual prazer.

    Grato, Teresa Almeida, por estes momentos tão belos de imersão em águas límpidas.

    Beijo, amiga.

    PS - Essa "Burgalesa" é a minha perdição rss

    ResponderEliminar
  3. reprovação certa na "rosa dos ventos" - onde se lê "leste" deve ler-se "oeste".

    ResponderEliminar
  4. "Só que ama entende... Não pode ser um rio qualquer".
    Achei belo.
    Bom começo de mês.
    janicce.

    ResponderEliminar
  5. Olá Teresa.
    Essas lembranças agradáveis, de parentes queridos e dos locais por eles frequentados, dão mais alegria para nossos dias. Belo texto. Parabéns.
    Um ótimo domingo.
    Abraços.
    Pedro

    ResponderEliminar
  6. "E no teu olhar, perturbado, ainda mergulho. Nos teus silêncios, profundos, ainda transpareço. E salto contigo."
    Uma texto maravilhoso, Teresa! Só entende quem ama, de facto...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Gostei imenso do teu texto de memórias e da forma
    poética como as narraste...
    Agradeço os bons momentos de leitura.
    Uma semana muito aprazível...
    Beijo.
    ~~

    ResponderEliminar

  8. E então, na intimidade do silêncio, nasce um murmúrio de ribeirica a saltitar.

    Nossas memórias são tão lindas, não Teresa? Podem trazer também algumas coisas que nos machucaram, mas as memórias felizes são mais fortes.
    Beijo, querida.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Teresa
    Quando as recordações são assim tão vívidas até sentimos os pés molhados...
    Como é bom recordar! E nas recordações de infância, ou juventude, mistura-se uma nostalgia tão grande que às vezes até parece que dói...
    Felizes dos que têm uma Ribeirica para recordar...

    Aproveito para desejar uma santa e muito feliz Páscoa.

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS


    ResponderEliminar
  10. Minha amiga,

    Abençoado este teu talento com as palavras a se moverem
    no sentido sublime do correr do Rio vivo e tão amado, que
    crescendo dentro de ti, bordado de sentires vestidos de
    lembranças na fertilização da poesia que transborda nos
    teus dedos com a as batidas de um coração de menina-mulher.
    Este Rio tinha que ter um nome feminino na amplitude
    do amor em que as crianças brincam...
    Lindo o vídeo- música num todo arte!
    Beijinhos saudosos.

    ResponderEliminar
  11. Reviver dessa maneira não chega a doer, Teresa . A alegria com pintas o quadro contagia as palavras , tanta é a cor . Aproveita a ribeirica e mergulha nela pés e recordações . Belo !
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Um belo texto de recordações.
    Onde o tamanho do rio não interessa, apenas as emoções que ele desperta.
    Bom resto de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. Assim, à primeira, Ribeirica parece um corpo estranho, sem cor, sem cheiro. Falta-me, contudo, para entender a mensagem, o sabor dos afectos. E ei-los que chegam, omnipresentes, transportados nas tuas maravilhosas palavras.
    Pois que seja Ribeirica. A senti-la, muita coisa boa fica.

    Um beijinho, Teresa :)

    ResponderEliminar