domingo, 26 de novembro de 2017

De mão dada

Resultado de imagem para de mão dada pinturas
Eras ainda botão para seres molestada.
Perdida entre a noite e o dia. E olhos no chão.
Sofrida. Menina desbotada.
E pela vida estropiada, não percebias
Que nem todos os gestos seriam despudor.
Não chegaste a ser flor que ao orvalho abrisse
E a alvorada não te acordou mulher
Nem o amor te desabrochou as pétalas
Nem te aflorou a seda nem a formusura.
Olhos no chão. Dura sina. Enxutas lágrimas.
Quase a sucumbir, quase fora da estrada,
Surgiu a mão,
O aconchego e o estímulo.
E um mundo maior. E um poema que começaste a ler.
Abandonaste uma história escura,
De vão de escada.
Levantaste o olhar e nas estrelas escreveste.
Amanheces viva, agora. Passo seguro.
De mão dada. E a rua é tua amiga.
És gota que o sol beijou. Pássaro que voou.
Natureza. Mulher. Mãe – ternura.

Teresa Almeida Subtil
25-11-2017

(Desafio poético: um olhar sobre o assédio.)

(imagem retirada da internet)

9 comentários:

  1. Vejo nesse belo poema tristeza domada e o relato de uma vida ainda por desabrochar em pura emoção...
    Poderá ter outras interpretações! Quem sabe.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
  2. Muito belo, Teresa. Um olhar delicado sobre um terrível problema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. o Perfume de teu Verso engajado na denúncia de um problema social pungente.

    um gesto de solidariedade muito digno, apresentado de forma muito original e bela, o que lhe concede ainda maior adesão e importância.

    felicito-te, minha amiga, pelo poema e pelas causas em que te envolves

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Um poema muito valioso pela temática tão séria,
    na minha prática de psicóloga, sei avaliar as dores
    e traumas de crianças abusadas, pior, no sofrimento
    silencioso e pelas estatísticas, este
    abuso-violência acontece em casa ou com aqueles
    que na função de proteção e confiança dos
    familiares, covardemente macula a inocência
    e saúde emocional de uma criança para sempre.

    Parabéns pelo poema e a sensibilidade da
    poetisa e mulher numa causa tão importante.

    Votos de dias felizes, querida Teresa!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. Olá, Teresa!
    Neste teu poema, vem a mão delicada da poetisa, munida de pincéis, para pintar na tela branca, imaculada, um quadro com tintas escuras, um quadro que não se pode esconder.
    Parabéns, minha amiga.
    Um beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  6. Este teu olhar poético sobre o assédio é sublime. Parabéns pelo teu talento na forma como respondeste ao desafio.
    Bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Poema poderoso com arte e sapiência poética. Gostei muito de ler
    .
    ( https://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/ )
    .
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Um olhar, configurado em eterna esperança, sobre desajustes na suposta sina de cada um. O destino, sempre de mãos dadas, pode ser construído por nós, eis a maravilhosa mensagem de quem acredita.

    Um beijinho, Teresa :)

    ResponderEliminar

O Outono canta nas arribas