segunda-feira, 28 de maio de 2018

Despudor / Sien bergonha


Despudor

Toco-te, delicada, quase com ternura.
Olho a elegância arroxeada  
e os matizes agradam-me.
Toco uma e outra vez … avanço e …
continuo a cobiçar-te …
É à toa que te folheio, e irrompo desastrada.
O último verso é mesmo o primeiro.
E percorro o poema sorvendo cada detalhe
que te é pele, que te é cheiro, despudor,
oblíqua miragem.
E se me quiser afogar de claridade,
preciso de me tornar íntima aragem
e ser do prado o teu olhar.

Sien bergonha

Topo-te, suable, quaije cun ternura.
Miro la simprecidade a dar al roixo
i l rostro agrada-me.
Topo ua i outra beç … arremeto i …
cuntino a cobiçar-te …
Ye a búltio que te leio, i bolo alborotada. 
L redadeiro berso ye mesmo l purmeiro.
I cuorro l poema buendo cada cachico
que te ye piel, que te ye oulor, sien bergonha,
retrocida  eimaige.
I se me quejir afogar de claridade,
perciso de me tornar íntema araige
i ser de l balhe l tou mirar.

Teresa Almeida Subtil

Lido no Congresso meu poema da Antologia de Autores Transmontanos
Durienses e da Beira Transmontana.

9 comentários:

  1. Teresa, minha amiga

    o teu belo poema, não foi apenas lido - foi muito bem lido!
    e, sobretudo, foi muito aplaudido e aclamado.

    falo do que vi e ouvi,
    sentado numa das primeiras fila do amplo anfiteatro

    muitos parabéns!

    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata, meu amigo Manuel, por tão cálido testemunho.

      Um abraço bem arrochado.

      Eliminar
  2. Esse prazer do nosso amigo Manuel Veiga de ouvir seu poema declamado e aclamado, não tive, querida Teresa!
    Será que meu aplauso chega a você??
    Muito lindo, Teresa!
    Beijo, uma boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O aplauso chegou, querida Taís.

      E meu apertado abraço - de reconhecimento - atravessou o Atlântico?

      Eliminar
  3. Poema belíssimo com a tua assinatura, a tua arte poética
    é admirável, aquela inscrição tão tua, que se distingue
    neste perfume do verso, nesta tua luminosidade
    expressiva, querida poetisa :

    "E se me quiser afogar de claridade,
    preciso de me tornar íntima aragem
    e ser do prado o teu olhar."

    Te acompanho exclusivamente nas partilhas dos blogs,
    mas, faço ideia do valor para ti, vivido esta partilha
    com teus amigos poetas da mesma terrinha natal e é natural
    com o valor da tua poética é para ser aplaudida em pé.
    Merecedora deste momento de reconhecimento da tua bela arte
    poética, amiga.

    Parabéns, minha querida.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. A amizade que sempre nos acompanhou fica bem patente nas tuas palavras, querida Suzete. Reconfortantes. Partilhamos, alegria, estima e apreço. Que esta luz poética continue a brilhar para nós.
    Um abraço bem apertado minha amiga.

    ResponderEliminar
  5. Esse prazer do amigo Manuel... também não me foi possível ter... mas gostaria de saber, se qualquer dia posso ter o prazer de poder destacar este magnífico trabalho, lá no meu canto... com o respectivo link para aqui, Teresa...
    Belíssimo e intenso trabalho... emanando vida e paixão pela mesma!
    Beijinho! Feliz domingo!
    Ana

    ResponderEliminar
  6. Será , para mim, muito gratificante, querida Ana Freire. Aprecio imenso a qualidade do seu blogue. Passo lá por puro prazer literário e estético.

    Um abraço bem "arrochado" (como se diz em mirandês).

    ResponderEliminar
  7. Teresa,
    Só posso invejar este amigo comum, o Manuel. No lugar certo, na hora certa.
    Privilégio ouvir o poema declamado e aclamado. E ser testemunha do reconhecimento do seu talento, talento de quem sabe lidar com as palavras de maneira mais severa, impondo significados aos sentidos e aos sentimentos.
    Este poema é para ser degustado como se come algodão doce...
    Um beijo,

    ResponderEliminar

MULHER-MENINA