sexta-feira, 11 de maio de 2018

Palavras Selvagens





Palavras Servagens

Somos cor e pele, fragas expostas
Aos raios de sol e de lua.
E pelas geadas reluzimos mocidade.
Ainda que rugosas.

Tocamos caminhos desafiantes
E o sentido não tem perigo
Se tivermos asas no pensamento
E do vento a cumplicidade.

Sorve-se o instante, joga-se o olhar
E as contas são de vida e fantasia.
E de neve os passadiços.
Escorregadios anos.

As palavras partem selvagens
A planar esculturas, sentinelas do tempo.
Aragem do verso que se prende
E ousadia de ave que o rio bebe.

Teresa Almeida subtil

10 comentários:

  1. Belas palavras que respiram por guelras
    Bj

    ResponderEliminar
  2. Aplausos pra você, amiga!!!
    E vamos caminhando nessa, pois a vida, em si, já é uma contradição.

    Tocamos caminhos desafiantes
    E o sentido não tem perigo
    Se tivermos asas no pensamento
    E do vento a cumplicidade.

    Beijos, um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  3. Teresa, minha amiga

    fixo-me nestes versos "as palavras partem selvagens/
    a planar esculturas/sentinelas do tempo" e deixo-me envolver pela "aragem de verso" e por essa paleta de sabores, cores e sons, em que se desdobra teu belíssimo poema.

    uma verdadeira celebração de uma cumplicidade de afectos, fundada nessa "ousadia de ave" que o rio da(s) memória(s) mantém como matriz, atenta porém os enganosos "passadiços" da neve e os "escorregadios" passos da vida.

    assim se forja o carácter e se imprimem os sinais precursores da Poesia

    gostei muito. muito mesmo!

    Beijo, Poeta

    ResponderEliminar
  4. Vim atrás do teu perfume
    Do verso e sinto a fragrância
    Da palavra, na distância
    Da selva como que estrume

    Que alimenta o costume
    De ouvir a palavra em ânsia,
    Como no tempo de infância,
    De qual sentido ela assume.

    Palavra lançada ao vento
    Que voa e toma o assento
    Em ouvidos e sentidos.

    E cada um interpreta,
    Não a palavra concreta,
    Mas o que soa aos ouvidos.

    Belíssimo o teu poema, Teresa! Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  5. Aves com asas de vento e de lonjura. Palavras livres e selvagens. Um poema maravilhoso, Teresa!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. O assumir duma certa forma de viver, longe de todos, talvez a maneira mais certa de preservar as palavras selvagens.
    Muito teria para dizer - eu, beirão dos sete costados, mas também cidadão do mundo - acerca deste tema, Teresa. Fica para outra altura. Por ora basta-me o saborear das palavras.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  7. Bonitas palavras.Um poema que me fez pensar por alguns segundos. Gostei muito de passar por aqui pra conhecer.
    Deixo um abraço e desejo de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  8. A cada geada vamos ficando mais velhos. Mas sem geadas também...
    Excelente poema, parabéns, gostei imenso do teu poema.
    Continuação de boa semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Teresa

    Esses escorregadios anos! Há lá melhor forma de representar o tempo que passa? Mas há rebeldia no ar e elas, as palavras, esvoaçam em versos ousados prontos a contagiar o mundo.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  10. Que as palavras sejam sempre selvagens, em impulso
    libertário, fonte e sede de sentires e poesia.

    Belíssimo poema com a tua assinatura, querida Teresa.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar