O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

terça-feira, 9 de maio de 2017

O MAIS ALTO CANTAR

Todo o tempo está mudado

a montanha grávida de fontes
e ávida de andorinhas
sente o viço da mocidade

o vale exala um aroma subtil
e convoca o fogo do primeiro amor

a vinha desfolha-se
para se vestir de claridade e afinar a melodia
onde desagua a naturalidade da sede.

todo o tempo está mudado

quero ser harpa em cada gavinha de bem-querer,
semente de união e de vida,
e,no peito do meu amado, deusa quero ser.

todo o tempo está mudado

- trazei cestas, comei e bebei: é a festa dos sentidos!
a alegria é bago cheio, litania que embriaga.
é a festa preparada em cada trovoada,
em cada penada de frio, em cada roçar de ave ferida

a palavra é, agora, mel e sussurro da fonte
o verso é toque e perfume
e o amor será sempre o mais alto cantar

Teresa Almeida Subtil

Foto de Lucia Torricella.

19 comentários:

  1. Todo o tempo pode estar mudando, o que não muda é esta constante Primavera que engravida os sentidos e transborda das tuas poesia coma alegria do viço de cada verso teu teu
    Parabéns querida amiga Teresa, prémio bem merecido e venham outros cantares assim!
    Beijinhos**

    ResponderEliminar
  2. Tão belo Teresa! E excelente.
    A primavera atingiu o auge da pujança e o poema canta as suas alegrias bucólicas, de forma assertiva, eloquente e esfuziante.
    Parabéns pelo prémio que fez jus à beleza e qualidade desta criação poética.
    Beijinhos
    ~~~~

    ResponderEliminar
  3. O que não muda é a sua inspiração poética!!! Bj e gosto

    ResponderEliminar
  4. Que lindo, Teresa, parabéns a você!! Como é bom ver nosso trabalho reconhecido e aplaudido...

    a montanha grávida de fontes
    e ávida de andorinhas
    sente o viço da mocidade


    Beijo, amiga, uma linda semana!

    ResponderEliminar
  5. Olá Teresa.
    Gostei muito do seu poema, inspirado e com tanta significação. Bravo, poetisa!
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
  6. admirável a força telúrica deste poema, Teresa.

    como se todos os afluentes (e todos os frutos) convergissem nessa "litania que embriaga" e que generosamente expões em oferenda - "comei e bebei"!

    parabéns pelo poema
    e parabéns pelo prémio.

    beijo

    ResponderEliminar
  7. Cantar assim é mesmo cantar alto.
    Porque o teu poema é magnífico, gostei imenso.
    Bom fim de semana, Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. "O amor será sempre o mais alto cantar"
    A tua bela e ímpar poética canta este sentir
    ao toque das palavras, em melodia (ser harpa...)
    na amplitude da beleza que transcende significados,
    mergulhando numa entrega "grávida" de desejos
    e sentires em que a vida exala e convoca!...

    Magistral e belíssimo poema!!
    Parabéns pelo o poema e
    merecido prêmio, minha amiga!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. "a palavra é, agora, mel e sussurro da fonte
    o verso é toque e perfume
    e o amor será sempre o mais alto cantar"
    Maravilhoso, Teresa! Parabéns pelo prémio e principalmente por este belo poema.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  10. Parabéns pelo reconhecimento.
    Adorei.
    Boa continuação de semana.

    ResponderEliminar
  11. Voltei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o teu excelente poema.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Ah... teu perfume e encanto!...
    Sutis, Teresa, eles são
    E fazem meu coração
    Feliz ao ouvir teu canto.

    O encantamento é tanto
    E é tanto amor e paixão
    Que neste espaço estão
    Mil versos de acalanto.

    Senti o que eu queria
    Ao vir de alma vazia
    No teu cantinho encantado.

    Canto de encantos, diria
    Onde eu achei poesia
    Retornando acalentado.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  13. Olá, Teresa
    Começo pelos parabéns...
    Merecidíssimos, evidentemente!
    Este poema tem uma força invulgar, uma pujança que nos leva a pensar:
    O tempo pode mudar, mas os verdadeiros valores ficam para sempre.
    ADOREI!

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  14. Precioso poema nos dejas, Teresa.

    Todo cambia con el tiempo, no se ven las anduriñas ni se oye el canturreo de la fuente como antaño que íbamos con el balde a por agua. Ahora todo, o casi, se tiene a mano en casa.
    Y e echamos, o echo, de menos aquella frescura perdida en el tiempo.

    Ha sido un inmenso placer pasar por esta tu casa donde se respira bella poesía.
    Gracias por tu buen hacer y por tu huella.

    Un abrazo y mi gran estima.
    Se muy .muy feliz.

    ResponderEliminar
  15. Seu lindo poema merece aplausos. O prêmio, certamente, é retorno para seu talento. Parabéns!!!
    Sou-lhe grata pela visita. Ainda permaneço ausente de meus espaços, mas fiquei feliz por encontrá-la. Bjs.

    ResponderEliminar
  16. Não me canso a ler e a reler este teu brilhante poema. Mas vim à procura de mais cantos...
    Bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  17. Um poema lindíssimo!
    Um verdadeiro hino à vida, e às suas emoções!
    Belíssimo trabalho, Teresa! Para ler e reler...
    Adorei cada palavra!
    Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar