sexta-feira, 5 de novembro de 2021

Voltarei!

Voltarei!



Dedico esta maravilhosa canção aos meus amigos blogueiros. Voltarei porque convosco sou muito mais feliz. Não quero perder a vossa canção sempre nova, sempre viva. E, por isso, continuo de janelas escancaradas. 
Beijos. 

Acrescento que preciso de tempo para publicar um livro. É um projeto que se vai arrastando. Aqui por casa também não está a ser fácil. Até tenho netos pequenos. E esse pormenor é poesia de enorme vivacidade. Mas ... abandonar este ambiente não está nos meus planos.
Abraço-vos com imenso carinho.
 

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Tresmalhada Ternura




Um corso galgou a colina, em três ou quatro saltos, com elegância e velocidade. Nem deu tempo para o desejado registo fotográfico, mas o instante ficou gravado na memória, como uma prenda aos amantes da natureza. São terras da lombada, pródigas em perfumes de arçã e tomilho e aves pousando ao de leve. As rosas-de-lobo, com pétalas de puríssima seda, estavam no auge.

Depois da curva, era possível ver pegadas de cabra selvagem, bem marcadas pelo peso e pela pressa. Enquanto os caminheiros prosseguiam entre conversas e gargalhadas, um som de desassossego captou os olhares. E na clareira, a breves passos, assistiram ao sagrado momento do nascimento, entre estebas e rosmaninhos.

No meio do espanto, a cadela Violeta precipitou-se e o Pedro foi-lhe no encalço; pegou a chiba (assim lhe chamaram) ao colo – com infinito carinho - e voltou a colocá-la na cama que o destino lhe traçara. E a chiba fez a sua primeira corrida, mal se segurando nas pernas. Julguei ver (sem olhar) lágrimas de tresmalhada ternura. A desatinada Violeta talvez tivesse estropiado o recém- nascido, se lhe tivessem dado tempo. A mãe devia estar embrenhada na floresta, bem perto do receio e do apego.

 E o grupo prosseguiu a caminhada em comovido silêncio.

E do silêncio rompe o poema:

 

 Raiç d'arçana (Lhéngua mirandesa)

 

 Eiqui la palabra ye nial

Raiç d'arçana

Passo stribado

Beiso, seda puríssema

Floresta a oulear

Nuite atrecida

Albura a spigar l die

Zassossego

a spicaçar la chama

Risa a las braçadas

Abraço a cheirar a tomielho

Spiga antalisgada

Amor renacido

An tierras de la Lombada.


 Teresa Almeida Subtil

(Poema premiado em Versos de Amor de Manuel António Pina, Concurso - Museu Nacional da Imprensa/2020)

 







 

…..

 

terça-feira, 28 de setembro de 2021

Augas Bibas /Águas Vivas

 



Stan bibas las augas de l miu riu,
esta fala i este sentir fondo,
estas faias i esta abes
q’ábren alas al tiempo airaçado. Stan bibas estas yerbas
que na secura de l suolo
spárban poemas al aire
i bísten la fraga znuda i dura
de quelor, alegrie
i beisos demorados de berano.
Stan bibas las palabras que se sgódan als lhábios,
cun gusto a moras maduras
las mais negritas i chenas.
Stan bibas las augas de l miu riu,
seia atamadas, seia arressaiadas de febre
i brabura, cun ganas de resbalar
de las alturas, cun la fuorça
a chiçpar la nuite scura.

:::


Águas vivas


Estão vivas as águas do meu rio,

esta fala e este sentir intenso,

estas escarpas e estas aves

e estas farpas que abrem

asas ao tempo.

Estão vivas estas ervas

que na secura do chão

atiram poemas ao ar

e vestem a fraga nua e dura

de cor, alegria e beijos

de longo e intenso verão..

 

Estão vivas as palavras

que se roçam aos lábios,

com gosto a amoras maduras,

as mais negras e plenas.

Estão vivas as águas do meu rio,

ora serenas, ora cheias de febre

e bravura, com ganas

de resvalar das alturas,

com ganas de estrelar

a noite escura..

Teresa Almeida Subtil
(in Rio de Infinitos/Riu d'Anfenitos)

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Cativa-me

Cativa-me o berço da tarde

E em cada árvore
Borboletas que pinto.
Cativa-me desde sempre
A clareira a anunciar
Um palácio de cristal
E um mundo transparente.
Cativam-me
Oceanos de vida
Bondade e conhecimento.
E principalmente
Crianças a brincar
E olhos felizes.
Tantos! E ainda mais.
Como se a vida mudasse
Num clique de graça
E o terror acabasse
Na brisa que passa.
Cativa-me a inspiração
E prossigo
Na claridade
Que poderá despontar
Em qualquer folha
De um livro.
Teresa Almeida Subtil
02.09.21
Feira do livro-Porto







quarta-feira, 25 de agosto de 2021

Brisa poética

 Tenho vontade de luzir um chapéu de palha.

 Abas largas e alças

 Sandálias e sedas. E pássaros nos olhos.

 

 Chegou o verão! E ao meu rosto sereno

 Falta o calor da sesta e a cor do trigo maduro

 Sol puro no meu rosto

 Gozo poético.

 

 E a sombra da parreira na varanda

 E a tarde transgressiva.

 

E se o verão é poeta, fingidor e abusado

 Vou esvoaçar entre as pingas

 Alongar o verde da folha

 Onde resplandece a magnólia

 E a melancolia.

 

Chama-me a fantasia. Os pés ganham confiança

 E a brisa beija-me o corpo arrepiado.

 O chapéu procura o verão

 E enlouquecido

 Baila descompassado.


Teresa Almeida Subtil










sábado, 14 de agosto de 2021

Alboroço

VAI SER UM ALBOROÇO!
"Alboroço é mirandês da garganta ao ouvido. Com todos os sentidos. É um ciclo de programação cultural na Terra de Miranda. Desafia o momento, instiga novas reflexões sobre os territórios rurais do interior e inspira releituras acerca da relação da comunidade com o espaço público, com o património e com a arte. É uma oportunidade de cruzar olhares outrora distantes. Alboroço é urgente. Irrompe no silêncio e agita a terra com música, teatro, performance e circo contemporâneo nas treze freguesias do Concelho de Miranda do Douro."

Camino screbido na lhinha de l’hourizonte
Deseio lhargo, sentido ne l coraçon
I quaije se béien las rugas chenas de giente
I se scuitan ls segredos de las piedras
Ne l sonido de l’arruada
Alboroço a zafiar la solidon.
Esta nuite Infainç spertou
L ancanto de las casas, de las cruzes
De las eigreijas i de l berano
Chica beilou la gana de bibir
I la malta cantou i sonhou
La tierra a zambuober
I quanto mais scuro mais se bei
Benírun de baixo
Fazírun bruído
Na aldé cul gusto de ninos a correr
Al aire de la nuite d’Agosto.

-------

https://www.facebook.com/alboroco/videos/245215577424354

Caminho escrito na linha do horizonte Desejo imenso sentido no coração quase s veem as ruas cheias de gente
E se escutam os segredos das pedras na música da arruada
Alvoroço a desafiar a solidão

Esta noite Ifanes despertou
O encanto das casas e dos cruzeiros
Das igrejas e do verão
Chica bailou a gana de de viver
E a malta cantou e sonhou
A terra a desenvolver

E quanto mais escuro mais se vê
Vieram de longe
Trouxeram clamor
À aldeia com gosto de meninos a correr
Na brisa da noite de Agosto.
Chica bailou a vontade de viver
Das Igrejas e do verão
Teresa Almeida Subtil














quinta-feira, 29 de julho de 2021

Do Guadiana ao Douro

Era quase noite quando passámos pelo acampamento e trocámos acenos com os pinheiros verdes e aprumados de sempre. Passava das 23h quando nos levantámos da mesa de jantar em frente ao Guadiana. No dia seguinte passaria a vigorar o horário relativo às restrições impostas pela Covid-19 e já não seria possível desfrutar calmamente do jantar, do convívio e da maravilhosa noite de verão. O Algarve era, agora, a zona mais permeável do país. Os ingleses deram à sola mais cedo do que previam.

Vai longe o tempo do acampamento. Não era de finalistas, era apenas o apelo do mar. E demorávamos o dia inteiro para ali chegar. Vem-me à ideia o espírito campista. Um chá à chegada era uma nota de boas-vindas, um brinde aconchegante. E, no dia seguinte, um balde de conquilhas como gesto de boa vizinhança de quem partilhava o chão, de quem se aproximava no passo, no estendal, na mesa e na cadeira. As tendas enchiam o pinhal de vida e alegria.

E quando se fala em Monte Gordo digo: conheço, foi aí que a minha Guida deixou as fraldas. Com mais umas saídas à Sanábria-Espanha, acabaram os acampamentos. Foi, no entanto, uma enriquecedora experiência.

Com um tom moreno regresso a Miranda do Douro, entre o JN, a Visão, alguns livros, plantas, malotes e esta repetida vontade de poetizar as encostas ora verdes ora nuas do Marão. É uma serra que me habituei a amar porque a atravessava ao crescer. As cicatrizes dos incêndios custam a passar. Apesar disso, a poesia do Marão é intensa em qualquer estação. E, como não vou ao volante, vou-me embrenhando em cada recorte de paisagem. "Já passaste o túnel? ", pergunta a que deixou as fraldas no acampamento. O túnel do Marão  e a auto-estrada encurtaram distâncias. E de aeronave  Porto-Faro faz-se apenas em 45 minutos. E eu já não tomo enjomin, só um ben-u-ron para aliviar a pressão nos ouvidos durante a aterragem.

A passagem pelo Porto na ida e no regresso é um hábito gratificante. Desta vez pude participar - presencialmente - num evento de arte grafite e arte poética. Eventos culturais entusiasmam e enriquecem quem os promove e quem participa. É sempre preferível que sejam presenciais, mas a pandemia provocou reuniões online, modalidade que veio para ficar, com vantagens evidentes nalguns casos.

Ao alto das minhas hortênsias esperava-me a lua e eu, reconhecida, aceno-lhe com beijos.

Quem vive em Miranda do Douro ou em Lagoaça não tem fronteiras no olhar. Como o meu rio Douro que salta, encolhe-se, esbraceja e espraia-se infinitamente. E, se lhe põem algemas, é para saltar com mais força. Até chispa!

Teresa Almeida Subtil.



Voltarei!