O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quinta-feira, 12 de março de 2015

As nossa mãos


 
 
O primeiro arrepio de pele, num toque subtil,
desajeitado e despropositado parecia,
mas tão cálido e másculo eu o percebia!
Sem ousadia de te ler o olhar, nas tuas mãos
viajava. Sucumbiram as minhas na vontade de as tocar.
Depois perdi a conta aos belos poemas que juntas escreveram.
E foram tantas as pétalas e as cores que nelas se tocaram!
Foram asas em debandada, loucura de alturas precipitada.
Foram torrentes de ternura, berço, colo de rebentos.
E, até no meio dos vendavais, recordo o jeito
como semeavas primaveras no meu peito.
Teresa Almeida Subtil

13 comentários:

  1. As mãos são a linguagem do gesto, do sentir, do acarinhar, do escrever... são o fecho dos abraços.
    Lindo, Teresa.


    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  2. "Com mãos tudo se faz e se desfaz"; desde o começo da objectivação da ternura, aos poemas que lhe dão voz.
    Excelente!
    xx

    ResponderEliminar
  3. "Subtil" o nome mas não tão subtil o poema: as mãos como veículo da sedução, do amor e da paixão física... Mãos de perdição na comunhão do sentir!
    Adorável poema, amiga Teresa!
    Bjuzz :) :)

    ResponderEliminar
  4. As mãos cheias de ternura, de coragem, de tudo e de nada...
    Muito belo, amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Na "Passagem" que é a Páscoa, sinto o desejo que seja Santa e muito Feliz.



    Beijos



    SOL

    ResponderEliminar
  6. Tive um professor que dizia que as mãos eram das partes mais eróticas de nosso corpo. Sim. Ser capaz de viajar nas mãos do outro é conseguir "entrar" nos caminhos que as mãos desbravaram.
    Lindo poema.
    bj amg

    ResponderEliminar
  7. ...Depois, com a mão lavada,
    Toma um papel e escreve.
    Vê lá, a ideia pesada,
    Escrita fica mais leve.



    Beijo


    SOL

    ResponderEliminar
  8. ~~
    Simplesmente...

    ~~~ B e l í s s i m o !

    ~~ Aplaudo o talento! ~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Dias serenos e risonhos.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    .

    ResponderEliminar
  9. Querida Teresa, depois de um tempo de ausência, eis-me aqui de novo, perante um poema que me arrepiou a pele, pela forma crescente com que as emoções se desenrolam ao longo do poema.
    As mãos têm esse poder, viajar ao longo do corpo, por lugares inóspitos, e desencadear arrebatamento, sensualidade e erotismo...
    Muito belo pois!!

    Beijinho meu sempre terno e amigo

    ResponderEliminar
  10. Olá, Teresa.
    Há sempre quem nos traz a tranquilidade em meio ao caos. E é tão bom que haja.
    bj amg

    ResponderEliminar