O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

domingo, 31 de julho de 2016

IX ANCUONTRO DE BLOGUEIROS DE L PRAINO


                                                                20 de Agosto de 2016

PORGRAMA 
1)
-Pulas 9h 30m Miranda dará las buonas-benidas a las puortas de la Senhora de l Amparo.
- Pulas 10h antraremos na Casa de las Quatro Squinas (Casa da Lhéngua Mirandesa). Será neste sfergante que Júlio Meirinhos, Alfredo Cameirão e Fernando Subtil ban a dezir uas palabras acerca de la cultura mirandesa. Neste spácio tamien yá sabemos que la palabra ye para cumpartir.
Eiqui, un taquito bem mesmo a modo (yá stamos aquestumados a uas lhambiçqueirices de ls mardomos).
11h 30m - Passaremos de camino pul Salon Nobre de ls Paços de l Cunceilho, adonde mos spera l Persidente Artur Nunes, un mirandés que siempre fizo gusto an star cun nós neste juntouro.
12h - Dinis Meirinhos stará cula sue guitarra i ls afinadíssemos acordes, na amponiente Cuncatedral de Miranda de l Douro, la nuossa Sé Catedral.
13h 30m - L'almuorço será serbido ne l PUIAL DE L DOURO, an Aldé Nuoba i tenerá honras de mesa cun tradiçon.
2)
Pula tarde …
Pula tarde, teneremos inda l blogueiro Domingos Raposo que mos falará de cousas de la tierra i de las gientes.
Será an S. Juan de las Arribas que testos (pequeinhos) an poesie i prosa bolaran subre un riu que fai ls ancantos de l mundo anteiro. Se quejirdes traei un lhenço tabaqueiro al cachaço i ua bota (cun bino) al ombro, pieças amportantes na bida dun stramuntano.
Tornaremos al Puial de l Douro para uas cantiguitas de çpedida i un mordico.
L précio ye de 15 mirandesadas.
Fazeremos por todos un cumbíbio adbertido an que l´amisade i la cultura se poularan.
Sós ua frol ne l camino
çfrente de todas.
Ye l´alegrie,
la gana de bibir
i spargir la cultura mirandesa
que te fai un blogueiro de l Praino.
Assenta-te mesmo eiqui ou pul telfone.
Ls mardomos:
Tresa Almeida Sutil – 914 748 784
Delaide Munteiro _ 918 217 183
Tiegui Albes _ 968 138 843

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Miranda é uma cidade musical

Era dia da cidade e o povo saiu à rua
No salão nobre louvaram-se mirandeses
Que honraram a sua raiz
E a cidade quis enaltecer
Aqueles que deram a conhecer
O berço, terra mãe, matriz gloriosa
Homenagens merecidas que ficam bem
A quem o sabe reconhecer
E uma exposição de fragmentos da nossa terra
Pintados por quem a ama
Eu estava lá e ouvi com agrado
Em cada bocado uma tela
E em cada tela um grito de alma
Uma canção, um poema

A vida é multifacetada
E quando tudo se revolve em alegria dentro da gente
É que se sente este afago e esta proa
De ser povo em união.


Pela tarde subimos ao Museu terra de Miranda
Abraçámos os Galandum Galundaina,
Louvámos 20 anos de profícua musicalidade
A padronização da gaita-de-foles
A valorização da língua mirandesa 
E em paralelo, em íntima dissertação
Louvo a necessária convenção.


Miranda é uma cidade musical
Sem raça nem credo
E com música encerrou o dia
A nossa banda estava de prontidão
E, pelas ruas, fez-nos música e emoção
Todos fomos coração, coração sem idade
Com a seleção sofreu e vibrou
Era o dia da cidade e somos vencedores
com vontade sem igual de gritar bem alto
À frente Portugal!

--------------------------------------------------------------

Miranda ye ua cidade musical

Era die de la cidade i l pobo saliu a la rue
Ne l salon nobre lhoubórun-se mirandeses
Q'honrórun la sue raiç
I la cidade quijo einaltecer
Aqueilhes que dórun a coincer
L brício, tierra mai, matriç gloriosa
Houmenaiges merecidas que quédan bien
A quien le sabe recoincer
I ua sposiçon de cachicos de la nuossa tierra
Pintados por quien l'ama
You staba alhá i oubi cun agrado
An cada cachico ua tela
I an cada tela un grito d'alma
Ua cançon, un poema

La bida ye multifacetada
I quando todo se rebuolbe an alegrie andrento de la giente
Ye que se sente este afago i esta proua
De ser pobo an ounion.


Pula tarde Chubimos al Museu Tierra de Miranda
Abraçámos ls Galandun Galundaina,
Lhoubámos 20 anhos de guapa musicalidade
La padronizaçon de la gaita-de-fuoles
La balorizaçon de la lhéngua mirandesa 
I, an paralelo, an íntema dessertaçon
Lhoubo la neçaira cumbençon.


Miranda ye ua cidade musical
Sin raça nien credo
I cun música ancerrou l die
La nuossa banda staba de prontidon
I, pulas rues, fizo-mos música i eimoçon
Todos fumos coraçon, coraçon sien eidade
Cula seleçon sofriu i bibrou
Era l die de la cidade i somos bencedores
cun buntade sien eigual de gritar bien alto

Adelantre Pertual!

Teresa Almeida Subtil