O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

domingo, 12 de março de 2017

Flor d´alva

11.03.2017 Município de Miranda Douro

                                
Deixem-nos em paz! disseste-me um dia.
Hoje não quero ver-te.
Fiquei sem retorno,
vestida de noite dentro do dia.
Perdida na dor que nos destroçava,
deixei-me morrer ali mesmo,
naquela passada.

Visto-me hoje de flor d´alva,
saída assim, despida, do corpo de minha mãe,
despida ela também, de confusões e artifícios,
vestida apenas de amor profundo.
Mulher foi meu destino e a poesia tempero,
meu mundo, sempre de partida.

É tempo de camélias no pino do Inverno,
de ar frio, arrepio de força e cor.
poema, vigor na luta
até que não faça sentido
falar de igualdade de género.

A rajada pode destruir
ou fazer eclodir a força de natureza-mulher,
a que se deslumbra e não se deixa vencer
a que semeia alertas para que o vento
não derrube árvores feridas.
E cada pétala abrirá e murchará a seu tempo
e cada saraivada será alento para nova caminhada.

Visto-me hoje de flor d´alva.
E de fogo. E de amor. Sempre.
Em ti, mulher, raia a alvorada.

Teresa Almeida Subtil

Ao violino Luis Velho


14 comentários:

  1. Talvez porque estou passando por uma fase difícil, apreciei sobremaneira as alusões à força que é preciso para superar estes momentos menos bons.
    O poema está excelente Teresa.
    Uma semana aprazível.
    Abraço.
    ~~~

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso poema, Teresa!
    Enfeitaste-te de poesia e de amor como quem reza...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. poema declinado no feminino.
    muito belo.

    "flor d´alva" ecoa como um grito

    beijo, Teresa.

    gostei muito

    ResponderEliminar
  4. Lindo, forte, elegante poema, Teresa!
    Visto-me hoje de flor d´alva.
    E de fogo. E de amor. Sempre.
    Em ti, mulher, raia a alvorada.

    Beijo, amiga.

    ResponderEliminar
  5. Olá Teresa.
    Gostei muito do seu Flor d'alva, um belíssimo poema. Parabéns.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
  6. Tua flor da anteaurora
    Traz a notícia do dia
    E a beleza irradia
    Por todo o jardim, agora.

    Porém aqui o que aflora
    Não é a flora, eu diria,
    Mas a tua poesia
    A correr ao mundo afora.

    Belo poema, Teresa
    Que traz uma luz acesa
    À arte e para a cultura.

    És mais que a flor d'alva tesa.
    Altiva, espalhas beleza
    Ao dia ou à noite escura.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  7. Belíssimo, profundo e com as tuas ricas e belas
    construções imagéticas tão femininas e no melhor
    do feminino; com dignidade, força e
    identidade Mulher-Poesia:
    "Visto-me hoje de flor d'alva."
    " Mulher foi meu destino e a poesia
    tempero, meu mundo sempre de partida."
    Muito grata pela leitura deste
    teu belíssimo poema-homenagem,
    minha querida amiga.
    Adorei!!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito deste teu poema, é soberbo. Parabéns por mais um talentoso poema, pois já li tantos teus...
    Teresa, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Teresa,
    Tenho, para mim, que o mundo seria um lugar bastante mais equilibrado se a mulher ocupasse o seu devido lugar.
    Quanto ao poema... a poesia mora em ti, mulher!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  10. Mais um trabalho lindíssimo, inspirando beleza, coragem e resiliência...
    Maravilhoso de ler! Adorei!
    Beijinhos, Teresa!
    Ana

    ResponderEliminar

  11. Olá amiga, boa noite. Navegando na net encontrei seu blog, amei suas postagens e já estou seguido e com certeza voltarei mais vezes aqui.

    Convido você a conhecer os meus blogs e páginas, se gostar segue ou curta, ficarei feliz e agradecida.
    Tenha uma abençoada noite e um amanhecer feliz.
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/
    https://pensador.uol.com.br/colecao/lourdesduarte/
    http://filosofia-e-romantismo-na-vida.webnode.com/minhas-poesias/

    ResponderEliminar