O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 8 de março de 2013

Mulher



Desnuda-te alma minha
rasga as nuvens que te toldam
contorna os pedregulhos
... e mesmo que nos mais aguçados te piques
lembra-te que são efémeros
imponderados
ergue a coragem às alturas
solta a energia que te anima
és mãe, filha, rainha do universo
caminha e toca a finura do alvorecer
ousa ser onda bravia e verdadeira
mulher inteira
veste-te de todas as cores
sente a melodia do teu céu
todos os dias
caminha na imensidão do amor
arrisca um mergulho na vida
privilégio teu


2 comentários:

  1. Mulher:um universo amplo de sentires,olhares e

    papéis no caminhar do Rio-Vida...

    Muito lindo poema e lindo o teu quadro-arte!!

    Beijinho,amiga.

    ResponderEliminar
  2. Mulher, eus de pedra na fortaleza da vida.

    Um caminhar determinado, uma poesia a fazer nascer quando é preciso...

    Sempre a emoção poética presente, amiga Teresa.

    Bjuzz :)

    ResponderEliminar