O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Feira do Livro GCM - 2014


Feira de l lhibro

Cheguei al jardin cula nuite a cair i l cielo  a amenaçar mudar a qualquiera momiento, tal cumo la bida: debrebe i resbalina.
Ls lhibros passórun a pertencer àquele lhugar, ls caminos perdírun la dureza i ls passos tornórun-se lhebes, mais lhebes que nunca. Ye siempre esta sensaçon d'ouséncia, de bolo, de star i nun estar. Ye l prazer de me perdir ne l berso solto i a ganhar bida própia - na boç, na spresson, na melodie i na antrega de cada un. Alguien que, por sfregantes, saliu de si i festeijou la palabra amigo. 
L lhibro biaija de mano an mano, i nele l alegrie, la rábia, l amor i l spanto de quien l screbiu. Stou cierta de que, de cada beç q'un lhibro s´abre, s´ ancuontra algo de nuobo i que bamos percebendo la forma cumo l'outor se bai çpindo, debagarico.
 La chuba nun chegou a cair, mas you senti-la nas lhágrimas que derramei por drento, ne l poema que la nuite screbiu i ne l cheiro de cada pétala que guardei ne l peito.

Naquel abraço, scrito i dedicado, seguiu l afeto i la berdade dun sfregante que baliu la pena.


Cheguei ao jardim com a noite a cair e o céu a ameaçar mudar a qualquer momento, tal como a vida: fugidia e imprevisível.
Os livros passaram a pertencer àquele espaço, os caminhos perderam a dureza e os passos tornaram-se leves, mais leves que nunca. É sempre esta sensação de ausência, de voo, de estar e não estar. É o prazer a deambular no verso solto e a ganhar vida própria - na voz, na expressão, na melodia e na entrega de cada um. Alguém que, por momentos, saiu de si e festejou a palavra amigo.  
O livro viaja de mão em mão, e nele a alegria, a raiva, o amor e a perplexidade de quem o escreveu. Estou certa de que, de cada vez que um livro se abre, se encontra algo de novo e que vamos percebendo a forma como o autor se vai despindo, devagarinho.
 A chuva não chegou a cair, mas eu senti-a nas lágrimas que derramei por dentro, no poema que a noite escreveu e no perfume de cada de pétala que guardei no peito.

Naquele abraço, escrito e dedicado, seguiu o afeto e a verdade de um momento que valeu a pena.


Teresa Almeida Subtil