sábado, 7 de abril de 2018

Meu planalto


Foto de Fórum Carviçais.

O planalto é um olhar quase reto,
cruzado no apeadeiro da estação.
É um comboio lento,
ausente no trilho, veloz na imaginação.
Vagões de incertezas..
Cardos no caminho.

O planalto é um trotear de cavalos no meu peito.
Verdes prados. Brisa sussurrante...
É este jeito de asa a esvoaçar
olhar inflamado, arribas de audácia
e picões de medo.

É o som suave do teu passo
a descer o degrau do tempo,
comboio lento
onde geme o sinal de partida.

Teresa Almeida Subtil
(Foto de Sandro Duarte)

15 comentários:

  1. Hoje passando aqui, um pouco fora de horas, apenas para deixar um beijinho, e agradecer a sua gentil presença, Teresa, lá no meu canto.
    Amanhã ainda me será impossível, conseguir passar por aqui, com tempo... mas conto fazê-lo esta semana, com maior disponibilidade... para vir apreciar com calma, e atenção devida, todas as publicações, que me terão escapado nas últimas semanas... inclusive, esta mesmo!... :-)
    Um beijo imenso! Feliz semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  2. Teresa, mais um magnífico poema com metáforas que só você conhece. O comboio é lindo.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Parabéns ao autor da foto Sandro Duarte.
    Foi no planalto mesmo do Bié que iniciei mil viagens num comboio a vapor que em muita terra circulava por linhas paralelas dia e noite sempre a fumegar. As paisagens que percorria eram magnificas. Adorei aquelas viagens quase poéticas mas belas.
    Viagens para escreveres a tua poesia inspirada na minha história de vida.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. olhar recto, olhos nos olhos, assim se colhe o horizonte - no planalto!
    bateu forte, Teresa, esse "trotear de cavalos no meu peito".

    gostei muito, é claro.

    beijo

    ResponderEliminar
  5. Uma bela viagem
    na sua paisagem interior
    Bj

    ResponderEliminar
  6. Gostei imenso deste teu planalto.
    O poema é excelente, parabéns por este belo trotear.
    Continuação de boa semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar

  7. Querida Teresa

    Um caminho situado entre a planície e a montanha. Uma vontade de subir ou de descer o trilho restante? Um mar de incertezas e indecisões..Contudo, tantas coisas contidas nesse meio caminho, tanta imaginação que galopa no peito que talvez valha a pena ficar mesmo aí. Ou partir?

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  8. Querida Teresa,

    Tão lindo este teu poema,
    no movimento do encantamento
    das palavras, neste galope da
    inspiração do teu amor ao teu
    planalto e este "comboio lento
    onde geme o sinal de partida",
    que construção poética sublime,
    amiga...
    Adorei voar aqui e tu sabes que a
    minha disponibilidade de tempo
    é bem menor do a minha vontade
    de partilha nos espaços dos
    amigos, demoro às vezes, mas
    sempre estarei aqui a te visitar
    e me encantar com a tua poesia. ..
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Teresa!
    O teu poema remeteu-me para a minha adolescência, quando viajava de trem no Estado de Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, onde moro. Hoje não temos mais trem, infelizmente.
    Um ótimo domingo.
    Bjs.
    Pedro

    ResponderEliminar
  10. https://pt.wikipedia.org/wiki/Linha_do_Sabor

    Para quem quiser entender porque "geme o sinal de partida".
    Grata aos amigos que sentiram este poema.

    ResponderEliminar
  11. Paisagens onde até o comboio acarreta memórias...
    Tão belo esse "gemer", Teresa...!

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  12. Nunca se abandona o planalto. Nele se está sempre com os olhos cheios de alegria e de metáforas também, se descobrindo "um dia" quantos ganhos foram acumulados... Belo poema, Teresa!
    Aqui sempre se ganha com a partilha!
    Um beijo,

    ResponderEliminar
  13. Boa Tarde, querida Teresa!
    Amo viagens de trem... o cenário encantador, a morosidade necessária para a contemplação... o ver com calma tudo ao nosso redor (coisa difícl, pois atropelamos tudo, nos dia corridos)... e muito mais de acordo com nossa capacidade de contemplação...
    O apito, de fato, geme... de tanta saudade que há dentro do coração dos seus passageiros. Ah!
    Seja muito feliz e abençoada junto ao seus amados!
    Bjm fraterno de paz e bem
    https://espiritual-marazul.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. P.S. A imagem da estrada onde o trem passa é encantadora... uma viagem para meus olhos nesta tarde... Obrigada pela partilha. Bjm

      Eliminar
  14. Depois de ver o link, que nos deixou, Teresa... pude apreciar o verdadeiro alcance e sentir das suas palavras... o comboio... como símbolo de ligação ao mundo... que desafiava a imaginação, e a coragem de ir mais além... e me trouxe à memória, os meus tempos de juventude, em que o mesmo, era um meio muito usado... em especial, nas deslocações, para a Região das Beiras... por ocasião das férias de Verão...
    Adorei o planalto... que nos mostra tudo... os que vão, os que chegam... e os que ficam... para sempre ligados a essa maravilhosa região!...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

O comboio nunca partiu