quarta-feira, 28 de março de 2018

Não é coisa pouca / Nun ye cousa pouca



Sei que sabes porque escrevo,
quando em mim acorda a manhã
e espreito o mundo a nascer de novo,

Conheci o desnorte à saída do ninho
e um rio a correr-me dos olhos,
um rio de ânsias e inquietudes
um rio por onde me escapulia
e morria de saudades.
De aconchego e de segredo,
levava os livros na pasta.

Endureci e bendigo a coragem, o corte,
o desapego, o arranque das plumas.
Percebi que é na dor e na precipitação
que o credo ganha força,
e que em caminho minado, dá-se a volta,
como em tango desesperado.

Viver não é coisa pouca.

Quando no peito o calor deflagra,
abrem-se melodias, caminhos de prazer,
compassos de dança,
que as palavras se atrevem a dizer.

Pode ser revolta ou descontrole, mas escrever
é sempre a hora, o desanuviamento, o salto,
o encontro.

Sei que sabes que escrever
é uma urgência, um ato de amor.



Nun ye cousa pouca

Sei que sabes porque scribo,
quando an mi acorda la manhana
i spreito l mundo a nacer de nuobo,

Coinci l znorte a la salida de l nial

i un riu a correr-me de ls uolhos,
un riu d´ánsias i termientas,
un riu por adonde me scapulhie
i morrie de soudades.
D'arrolho i de segredo,
lhebaba ls lhibros na pasta

Andureci i bendigo la coraige, l corte,
l zapego, l'arranque de las prumas.
Percebi que ye ne l delor i na precepitaçon
Que el acraditar ganha fuorça,
i q'an camino minado, dá-se la buolta,
cumo an tango zesperado.

Bibir nun ye cousa pouca

Quando ne l peito la calor abrolha,
Hai caminos q´ábren melodies,
caminos de prazer, cumpassos de dança,
que las palabras s´astrében a dezir.

Puode ser rebuolta ou çcuntrole, mas screbir
ye siempre l'hora, l zanubiamento, l salto,
l'ancuontro.

Sei que sabes que screbir
ye ua ourgéncia, un ato d'amor

Teresa Almeida Subtil

12 comentários:

  1. Linda poesia!
    Este é o momento ideal para recordarmos a importância de lutarmos por ideias e princípios honestos e o amor ao próximo.
    Que nesta Páscoa, você possa se reunir com os que mais ama e celebrar todo o significado desta data. Que a paz, o amor e a esperança renasçam no seu coração e na sua casa, e sua vida se encha de felicidade.
    Feliz páscoa!

    ResponderEliminar
  2. Viver não é coisa pouca, na verdade.
    Tal como são os teus poemas, sempre muito bons, como este.
    Parabéns pela excelência das tuas palavras.
    Continuação de boa semana e uma Páscoa Feliz.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. escrever é viver duas vezes!
    por isso os poetas escrevem, quero crer

    que escrever (te) seja sempre "uma urgência e um ato de amor"

    gostei muito, Teresa

    beijo.


    ResponderEliminar
  4. "Sei que sabes que escrever
    é uma urgência, um ato de amor."
    Sei também que todos os rios do mundo nascem dentro dos olhos dos poetas...
    Uma Páscoa muito feliz.
    Um beijo, Teresa.

    ResponderEliminar
  5. Olá, gostei do seu blog é muito interessante, eu tenho um blog onde escrevo os meus textos de diferentes temas , Fico aguardando a sua visita se gostar pode me seguir.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  6. Claro que sabe escrever e muito bem. Adorei o poema. Boa semana e beijos com carinho

    ResponderEliminar
  7. Querida Teresa, aqui tem perfume dos versos e belas poesias! Amo todos, parabéns pelo lindo poetar. Grata pelas visitas, seja sempre bem vinda! Abraços

    ResponderEliminar
  8. Querida Teresa

    Escrever assim não é coisa pouca. Comunicar com palavras cunhadas na urgência e necessidade de dizer como a vida é feita de dores e alegrias, no esvoaçar de um pássaro, no ritmo de uma dança...Na escrita há o reencontro de todos os momentos. E o seu perfume sente-se.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  9. Vim à procura de novidades.
    Mas gostei muito de reler o teu magnífico poema.
    Bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Querida Teresa,

    Que poema lindo de declaração de
    amor à poesia e arte de escrever,
    como me identifiquei com este
    poema, amiga! ....
    "Escrever é uma urgência, um
    ato de amor"!!
    Lindo! !!
    Parabéns por esta tua arte
    de escrever sublime.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  11. Há tanto de sentido, mesmo quando, aparentemente, se comeu o pão que o diabo amassou!
    Uma delícia ler-te, Teresa.

    Abraço :)

    ResponderEliminar

Do Éden oriundo